Um Homem Entre Gigantes

0um homem entre gigantes

Título Original- Concussion
Título Nacional– Um Homem Entre Gigantes
Diretor– Peter Landesman
Roteiro-  Peter Landesman/Jeanne Marie Laskas
Gênero– Biografia/Drama/Esporte
Ano– 2015

– Cabeças fundindo…

Assim ficavam os cérebros dos jogadores de futebol americano depois do acúmulo de anos de pancadas por causa da exigência do esporte. A doença descoberta pelo Dr. Bennet Omalu mexeu com os alicerces do esporte mais lucrativo do planeta em termos proporcionais. O filme aborda a luta dessa importante figura da comunidade local e conta com a boa atuação de Will Smith, justificando um pouco das reclamações por não ter sido um dos indicados ao Oscar 2016.

O comportamento excêntrico do Dr. Omalu incomodava seu colega e superior de trabalho, Daniel Sullivan (Mike O’Malley). Para o parceiro de profissão Omalu queria aparecer, enquanto, na verdade, ele tinha um enorme respeito pelas pessoas que lidava e uma grande consciência de suas capacidades na área de atuação. Tudo ia mais ou menos bem até a chegada da lenda local, Mike Webster (David Morse), à mesa de autópsia do Dr. Omalu. Quando ele resolve seguir com seu ofício e averiguar as causas da morte do atleta o atrito com o já raivoso Daniel se agrava, dificultando ainda mais seu trabalho. Ainda que contasse com o apoio do chefe do órgão, Dr. Cyril Wecht (Albert Brooks), o conflito atrapalhava bastante.

Durante suas investigações ele percebe anomalias que não batiam com os relatórios médicos que acompanhavam o jogador e começa a investigar mais à fundo as causas de sua morte. Tirando dinheiro do próprio bolso o médico legista irá dar uma prova admirável de amor à profissão, ao ser humano e aos próprios pilares da sociedade americana em muitos trechos criticada diretamente pela hipocrisia daquilo que pregava e a prática.

Com uma tocada bem centrada na pesquisa e no drama vivido pelo Dr. Omalu, Um Homem Entre Gigantes é um filme interessante no que tange ao seu aspecto crítico às ações humanas e como a cobiça não encontra escrúpulos caso seja desafiada. Com uma atuação elogiável de Will era de esperar que uma indicação pudesse acontecer, haja vista que outros indicados não a mereceriam frente ao trabalho do ator em questão (Olá Matt Damon! Falo de você!), mas chega disso. Will Simith não foi indicado, mas isso não desmerece ou diminui em nada o valor de seu trabalho aqui, mostrando mais uma vez que sabe atuar, mesmo vindo de escolhas ruins recentes quanto aos rumos da carreira.

Nos aspectos de roteiro e direção não há muito a destacar. É verdade que os desafios impostos ao protagonista e os questionamentos levantados sobre inúmeros aspectos do porquê tudo aquilo estar acontecendo são interessantes e tem seu valor, mas o romance aparenta ser forçado e é muito pouco desenvolvido, dando a sensação de deslocamento, a personagem de Omalu é humana o suficiente para dispensar tal artifício. O pouco aprofundamento quanto às outras partes do conflito também impede uma melhor avaliação sobre todo o contexto em debate.

No final, Um Homem Entre Gigantes é um bom filme, com uma grande atuação, tratando de um tema pouco familiar a nós, mas que nem por isso perde sua importância por retratar, no âmbito geral, que os seres humanos são muito parecidos quanto às suas ações em certas situações, por mais que tenham vindo de realidades distintas. É uma opção recomendável, embora pudesse ser melhor trabalhada em alguns aspectos.

Intensidade da força: 7,5

Deixe seu comentário