Batman vs Superman: A Origem da Justiça

batman vs superman

Título Original– Batman v Superman: Dawn of Justice
Título Nacional- Batman vs Superman: A Origem da Justiça
Diretor- Zack Snyder
Roteiro- Chris Terrio/David S. Goyer
Gênero- Ação/Aventura/Ficção
Ano– 2016

– Todas contra…

… O filme de Batman Vs Superman. Desde o anúncio do projeto da Warner de tentar criar o filme da Liga da Justiça tudo que envolve essa inciativa está cercado de desconfiança e desaprovação. A Warner é a grande culpada sim dessa reação do público, sejam fãs ou curiosos. A verdade é que o estúdio detentor da marca DC Comics, responsável pela criação dos dois heróis principais, nunca conseguiu recriar com tanto sucesso uma fórmula duradoura com essas marcas. Superman quase sempre é um filme muito criticado, Batman teve um bom momento com a saga Dark Knight, mas anteriormente também sofria com inconsistências com as aberrações Batman e Robin ou Batman Forever. Não é como a Marvel, nesse sentido, que acerta na maioria e quando erra ainda causa muito mais discussão sobre se é bom ou do que se é ruim. O ponto de partida muda de direção a depender de qual obra está envolvida.

Em Batman Vs Superman é a mesma coisa. Fato é que foi dado motivo para as pessoas torcerem o nariz para a obra à medida que iam anunciando as novidades. A começar pela escolha de Gal Gadot para ser a Mulher Maravilha ou de Ben Affleck para ser o Batman. Adianto, os dois estão bem no final, Gal não compromete como Mulher Maravilha, até porque sua aparição é pequena durante o filme, mas, principalmente, Ben Affleck não faz feio como Batman, aliás, como já desconfiava, parece que o Homem Morcego foi feito para o insosso ator interpretá-lo. Aqui Ben consegue aliar a típica frieza de Bruce Wayne com a raiva que ele sempre carregou por conta de sua experiência no passado.

O filme começa muito bem, a partir da parte final do Superman: Man of Steel em que o Homem de Aço (Henry Cavill) está lutando contra o General Zod. A perspectiva da visão dos humanos afetados pela batalha, põe fim em muitas críticas e brigas que envolveram os debates acerca do filme solo do “homem mais forte do universo”. Em meio a todo o caos causado pela batalha entre os dois super seres estava Bruce Wayne, de passagem em Metropolis. Ele não lida bem com todo aquele caos e perigo trazido e começa a nutrir um sentimento de revanche contra o Superman. Depois desse momento, o filme avança no tempo até um ponto em que está se discutindo como o mundo deve lidar (leia-se EUA) com a presença daquela figura em meio a humanidade. Como suas ações poderiam ser controladas? Quais eram suas intenções? Dúvidas típicas de uma espécie inteligente ameaçada por algo que desconhece e muito mais poderoso que ela.

Em meio a todo esse problema Clark tenta viver normalmente com Lois (Amy Adams). Além desse problema com o governo norte americano havia uma inquietação sobre as ações do Batman em Gotham. O Vigilante estava mais implacável e até ferrava os criminosos com seu símbolo. Bruce estava com o novo Alfred (Jeremy Irons), sugerindo claramente a linha temporal em que o filme se passava e fazendo o elo, mesmo que leve, entre os eventos dos filmes anteriores (Trilogia Dark Kngith e o Último Superman, provavelmente deveremos incluir o filme do Lanterna Verde aí). As ações do Batman tinham um intuito: conseguir os recursos necessários a fim de opor-se contra o Superman em algum momento.

Além de todas essas situações apresentadas tinha Lex Luthor Jr. (Jesse Eisenberg), suas ações eram difíceis de interpretar, mas ele apenas quer causar tumulto e compensar suas frustrações de infância com o pai. A escolha do ator para o papel mostrou-se equivocada desde o primeiro momento, inclusive com Jesse declarando em algumas situações que não tinha contato com quadrinhos e não se interessava pelo assunto. Ele tenta fazer aquilo que lhe foi passado para o papel, mas a forma escolhida para tratar a personagem não foi adequada, aliando a interpretação típica do ator (a mesma para todo o personagem que representa) o problema fica ainda mais evidente.

Só por esta breve introdução de assuntos nota-se que já se tem uma quantidade de informação substancial a ser tratada num único filme. Porém, não satisfeitos, os executivos acharam pouco e resolveram tratar da origem da Liga da Justiça (que tem muitas, diga-se de passagem) também nessa mesma obra. Então a Mulher Maravilha aparece um pouco, resolvem colocar um inimigo responsável por um dos arcos mais emblemáticos e marcante da história dos quadrinhos também nesse mesmo longa, além de mostrar o pano de fundo para o provável filme seguinte com a sugestão do novo vilão que irá ser o foco da próxima aventura. Foram assuntos demais, inserções demais e ficou um verdadeiro “samba do crioulo doido”. A luta, Batman Vs Superman, ficou totalmente em segundo plano ou, na melhor das hipóteses, muito mal abordada.

Estes erros com certeza geraram a rejeição que vem se alastrando por alguns meios de comunicação especializados com o Rotten Tomatoes avaliando com 30% e comentários cheios de fúria espalhados pela rede mundial de computadores. Fato é que Batman Vs Superman: A Origem da Justiça ficou uma obra mal-acabada, uma colcha de retalhos, um quadro inacabado, um quebra-cabeças pela metade. Seja qual for a comparação feita é óbvio que sempre será com algo não finalizado. Entretanto, o filme não é só defeitos, as lutas ficaram boas no geral, em especial a final, que conta com a participação dos três heróis principais. A luta tema do filme, embora tenha perdido destaque não ficou ruim e remontou bem a qual referencia-se nos quadrinhos. Aliás, nesse ponto, referências, o filme tem ótimos momentos isolados, em que há praticamente transposição de páginas de arcos emblemáticos das revistas. O problema, como sempre, foi querer recuperar anos de defasagem de uma única vez.

Isso não deverá atrapalhar a continuidade do projeto da Warner sobre o filme da Liga da Justiça. É possível que a bilheteria do filme em questão seja aquém do esperado, mas não suficiente para por todos os planos em espera novamente e, a partir daí, já consigamos ter um planejamento mais acertado de ritmo de ideias a serem tratadas nas próximas investidas. Para fãs ou curiosos essa é uma produção que pode causar sentimentos duais, mas uma coisa é certa, não é uma bomba como muitos lugares tentam pintar. É uma obra com problemas, mas tem acertos que merecem consideração. Talvez uma resenha apenas não seja suficiente para tratar de tudo da melhor maneira, mas esse é o tipo de caso que é melhor ver e tirar suas próprias conclusões.

Intensidade da força: 6,0

2 opiniões sobre “Batman vs Superman: A Origem da Justiça”

  1. Tudo isso Bill? Eu achei a luta bem boa, gostei do Affleck e até da Gadot (apesar de parecer pouco como você falou) mas achei todo o resto bem ruim, inclusive a luta final;

    Exageros no CGI, a pancadaria com o Apocalipse é mal realizada, o motivo para começarem a briga dos dois é RUIM, o motivo para terminar é uma das coisas MAIS RIDÍCULAS já feitas hahaha sei lá cara. E o Lex Luthor? Se fosse o Coringa ele estaria bem mas pelo amor de jah.

    1. O fato Márcio é o que filme desperta nas pessoas esse sentimento mais intempestivo e não as culpo tanto nesse caso. Só acho que não deve-se simplesmente desconsiderar tudo que tem de bem feito.

      A luta com o Apocalipse é muito mal construída, mas o confronto direto é bem feito (reconheça a Zack Snyder). O motivo de Batman V Superman é ruim porque inventaram de querer criar um filme para originar a Liga daí não tinha como terminar com eles brigados, mas muito do que é visto no filme é realmente o que está nos quadrinhos.

      Não consigo ver uma obra tão ruim por ela conter muitos elementos dos quadrinhos de maneira quase literal sem ficar ruim no formato cinematográfico.

      Batman sempre nutriu esse sentimento de desconfiança pelo Super, mesmo depois de amigos ele teme que inimigos possam aproveitar-se dele. Muito de toda a obsessão dele vem desse medo. Isso não fica evidente no filme, mas a frase que Ramon cita como ruim na avaliação dele no Pocilga na verdade retrata essa sensação do Batman.

      EHEH! Até minha resposta ficou grande. O filme, infelizmente necessita ser explicado de muitas maneiras porque falha nisso miseravelmente.

Deixe seu comentário