Steve Jobs

steve jobs

Título Original- Steve Jobs
Título Nacional– Steve Jobs
Diretor- Danny Boyle
Roteiro– Aaron Sorkin/Walter Isaacson
Gênero– Biografia/Drama
Ano– 2015

– Gênio detestável…

… Depois da péssima experiência com “Jobs” (2013), primeira produção a aproveitar-se do momento do falecimento de um dos símbolos do mundo da tecnologia, Steve Jobs, chega aos cinemas uma obra mais respeitável, com um diretor capaz e um elenco ainda mais. Liderado por Danny Boyle, Michael Fassbender (Steve Jobs) entrega uma atuação digna de sua indicação para o Oscar 2016. Num papel desafiador, por tentar misturar diferentes facetas de uma personagem complexa, Michael consegue, mais uma vez, fazê-lo brilhantemente e regido pela batuta de um diretor mais ousado consegue-se um retrato mais crível da figura imortalizada por revolucionar a indústria da informática, para o bem ou mal.

O ponto de partida já é a conferência de lançamento do Macintosh, máquina de pouco sucesso, mas muito potencial, apresentada em meados dos anos 80. Naquele tempo a Apple tinha um grande alcance no mercado com cerca de 30% da participação, mas as ideias de Jobs conduziram a empresa para uma fase que a marcou por um bom período; a de construir produtos apenas para ostentar. Ainda hoje assim, mas com o reconhecimento de que também realizam bem alguns propósitos, naquele período a impressão é de que para nada serviriam, não justificando o altíssimo investimento necessário para possuí-los. Foi sob essa pressão que o Mac foi lançado e fracassou retumbantemente, conduzindo para o afastamento da principal referência da Apple.

Em seguida, a história irá repassando alguns episódios da vida do criador de algumas das mais inovadoras e bem sucedidas ideias já pensadas no mercado tecnológico, responsáveis por retirar a marca da Maçã do fundo do poço para o topo. O filme foca na pessoa Steve Jobs e seu relacionamento com os demais integrantes da cúpula da empresa de tecnologia; Steve Wozniak (Seth Rogen), John Sculley (Jeff Daniels) e Andy Hertzfeld (Michael Stuhlbarg). Além disso, a figura de Joanna Hoffman, personificada por Kate Winslet, também possui grande destaque. Outro ponto muito destacado é a convivência do protagonista com a filha Lisa Brennan (vivida por diferentes atrizes com o passar do tempo), bem como com a perturbada mãe, Chrisann Brennan (Katherine Waterston).

Com uma estrutura muito definida e fechada é possível até traçar um paralelo com a forma que o visionário enxergava os produtos que idealizava. À exemplo de sua insistência num sistema operacional fechado para os sistemas que funcionariam nas máquinas. Tudo acontece sempre na mesma ordem. Lançamento de algum produto, conflitos com as pessoas do convívio próximo de Steve, intervalo de tempo para a próxima página de sua vida, sempre muito parecida com a anterior, encerrando com a apresentação do iMac para o público e deixando o caminho aberto para a consolidação da imagem que a Apple possui hoje no imaginário geral.

A impressão geral é que essa obra é algo muito mais adequado e coerente com os relatos sobre a pessoa Steve Jobs. Uma imagem corajosa que mostra o ser humano imperfeito e até mesmo a verdadeira dimensão do gênio imaginado por muitas pessoas. É um filme muito interessante e revelador nesses pontos. Ainda que peque na estrutura narrativa um tanto presa, tais defeitos não pesam sobremaneira na medida final e o valor é bem positivo.

Intensidade da força: 8,0

2 opiniões sobre “Steve Jobs”

  1. Só vou discordar aqui de uma coisa, não achei o filme com o Kutcher péssimo não. Ele é um filme até razoável mas claro que comparado a este aqui perde em quase tudo. Acho que a única coisa que ele ganharia seria a semelhança física com o Jobs que Fasbender não tem.

    De resto, um ótimo filme realmente, atuações inspiradas (e dignas de indicações ao Oscar) e a forma como a história é contada é sensacional. Em apenas alguns momentos, você entende quem era Jobs. Grande filme.

    1. O filme com o Kutcher é uma vergonha Marcio. Não sei bem o que levou você a achar algo válido nele, mas aquilo é uma bomba. Podia ser o mesmo filme com um ator melhor e seria digno ao menos.

Deixe seu comentário