Deadpool

deadpool

Título Original- Deadpool
Título Nacional- Deadpool
Diretor- Tim Miller
Roteiro– Rhett Reese/Paul Wernick
Gênero– Ação/Comédia
Ano- 2016

– Prazer. Eu sou Deadpool…

Provavelmente muitos dos espectadores devem estar tendo seu primeiro contato com o polêmico super-herói do universo Marvel que, depois de muitas idas e vindas, teve seu primeiro filme lançado. Para a incredulidade de muitos o filme funciona excepcionalmente bem, provando que não é preciso grandes orçamentos, invencionices ou pirotecnias para que um filme de super-herói saia bom. Basta, simplesmente, que ele respeite o que a personagem é originalmente. Esse é o grande trunfo de Deadpool. Talvez um dos filmes mais bem caracterizados quanto à sua fonte no seu gênero.

O caçador de recompensas, Wade Wilson (Ryan Reynolds) tenta viver de acordo com suas próprias regras e nada melhor para tal estilo de vida do que eliminar figuras indesejáveis e ainda ser recompensado financeiramente por isso. Seguindo um código de ética próprio e básico ele tenta apenas aceitar aqueles contratos para os quais o alvo seja alguém com um comportamento realmente reprovável. Daí ele aplica um choque de realidade que variará na medida do potencial “maldade” do objetivo.

Tudo corria bem em sua vida. Até um amor ele tinha encontrado nos braços da deslocada Vanessa (Morena Baccarin). Os dois eram igualmente perturbados e tinham experimentado vidas difíceis até aquele momento. Só que não há felicidade para sempre e o realizado Wade Wilson conhecerá o maior dos castigos, um inevitável, inapelável e ainda numa dose cavalar; um câncer, não, três cânceres! Sem esperanças de superar essa prova ele aceita a estranha oferta de uma figura enigmática que promete não só curá-lo como ainda conceder habilidades acima da percepção média humana. “Cavalo dado não se olha os dentes”, ainda mais na condição do nosso futuro herói. Ele segue até o momento que iria determinar uma mudança radical em sua vida.

Óbvio que as coisas não saem como prometido. Os poderes e a cura realmente vem, mas a um custo inesperado. Todo o seu corpo fica deformado, impossibilitando-o de retomar a vida que ele tinha acabado de descobrir ao lado de Vanessa. Isso era como a mesma sentença de morte do câncer só que piorada, pois ele teria que viver com esse fardo de agora em diante. Inconformado com a situação ele começa a perseguir o principal responsável por seu drama, Ajax/Francis (Ed Skrein). Sem poupar seus alvos, assim como quando era caçador de recompensas, Deadpool mescla a sua implacabilidade com boas doses de descontração, tornando tudo muito mais curioso e animado para acompanhar.

A preservação da essência da personagem ajudou a dar todo o diferencial a Deadpool. Com cenas bem filmadas, equilibrando a violência sem excessos, ele prova que é possível sim fazer um filme de herói com orçamento baixo (apenas $58 milhões), uma classificação etária elevada (16 anos) e ainda ser um sucesso de bilheteria e crítica. Quem sabe de agora em diante vejamos mais e mais obras tentando adaptar com mais fidelidade como são os heróis, resultando em projetos muito mais bem-acabados e acertados como Deadpool se provou ser.

Intensidade da força: 9,0

Deixe seu comentário