A 5ª Onda

a quinta onda

Título Original– The 5th Wave
Título Nacional- A 5ª Onda
Diretor- J Blakeson
Roteiro-  Susannah Grant/Akiva Goldsman
Gênero– Drama/Ação/Ficção
Ano– 2016

– Despois da onda…

… Os destroços. Esse é o cenário deixado para os espectadores após a sessão de A 5ª Onda, filme protagonizado pela carismática, popular e bonita Chloë Grace Moretz (Cassie Sullivan) que agora já carrega o peso por suas escolhas. Nesta produção baseada nos escritos de Rick Yancey, misturando elementos de ficção com um toque de desastre e mais umas pitadas de drama, não seria condenável esperar algo interessante dessa película. Será que ainda há o que resgatar após A 5ª Onda?

A jovem Cassie carrega uma metralhadora e depara-se com um jovem agonizando numa mercearia e ao menor movimento súbito ela dispara, para ao final perceber que não se tratava de uma ameaça. Tudo tinha mudado e a história entra no modo “flashback” a fim de situar a plateia com relação ao que acontecia naquela apresentação que iniciava-se. Narrado pela protagonista, tudo parecia em ordem, os jovens curtindo suas festas e interesses românticos da idade, nada podia ser mais comum. Até que uma estranha nave surge nos céus e, a princípio, o objeto permanece imóvel e durante este período são denominados de “Os outros” pelos terráqueos. Não há qualquer explicação sobre alguma medida tomada pelos governos.

Logo em seguida começa; uma descarga eletromagnética inviabiliza todas as máquinas, parando o mundo simplesmente. Energia, comunicações, transportes, tudo fica inutilizado. Ainda assim os humanos tentam seguir suas vidas, mas a série de ataques persiste: Terremotos, Vírus e finalmente uma espécie de cooptação a partir de um parasita que controlava as ações de quem os abrigava. Nesse momento apenas poucos humanos restavam e eles eram caçados, nossa “heroína” era um desses. A sequência desse momento simplesmente não merece muita menção, pois o acúmulo de absurdos, erros e incompreensões fazem quem assiste questionar se o que estava sendo exibido era um filme produzido em Hollywood.

As ações sobressaltam-se. Um momento de perigo está batendo à porta? Qual o problema? Ignora-se qualquer razão e simplesmente avança-se como se nada existisse para impor algum desafio. Esse problema é o que mais repete-se. As atuações estão fracas, até mesmo Chloe entra no lamaçal de cretinice e entrega a sua pior performance num trabalho cinematográfico até agora. As informações simplesmente brotam sem qualquer sentido ou coesão e a tentativa de explicar só piora o estrago. Chega a ser constrangedor. Para finalizar as estupidezes, o romance é algo vergonhoso a ponto de fazer uma criança de 5 anos chorar ou rir.

A 5ª Onda é um filme terrível. Ruim em tudo. Nada se salva. O espectador sofre para ver chegar ao final, pois o maior desastre é ficar até os créditos subirem. Achando pouco toda a onda de ruindade os responsáveis por essa bomba ainda acharam que seria possível fazer uma continuação, pois, no encerramento, fica claro essa deixa, simplesmente chamando quem sofreu até então de tolo, pois passou por tudo aquilo para apenas confirmar que ainda terá mais. É com pesar que o Power Cinema confere a este filme o selo BOMBA ATÔMICA! Um efeito devastador assim como a última onda a que o título da obra faz menção.

Intensidade da força: 0,5

bomba

2 opiniões sobre “A 5ª Onda”

  1. hahahahaha adorei a imagem da bomba atômica. Pelo visto já temos um forte candidato a pior filme do ano. Quando MB me contou eu não acreditei, inclusive pedi pra ele me contar o filme todo que eu não queria mesmo assistí-lo.

    Agora a sua crítica já diz tudo. Será que entre os adolescentes o filme foi um sucesso?

    1. Eu li o choro do MB no whats e achava que estava exagerando, ledo engano, quase nada dá para considerar nessa tristeza de filme. Acho que se pagou Márcio, pois arrecadou $100 milhões dos $40 gastos.

Deixe seu comentário