Aliança do Crime

alianca do crime

Título Original– Black Mass
Título Nacional– Aliança do Crime
Diretor– Scott Cooper
Roteiro– Mark Mallouk/Jez Butterworth
Gênero– Policial/Biografia/Drama
Ano- 2015

– Aliança conveniente…

A busca por ampliar seu poder será o mote que levará James ‘Whitey’ Bulger (Johnny Depp) a ligar-se ao FBI e assim expandir sua rede criminosa em Boston entre as décadas de 70 e 80. O interessante em Aliança do Crime é a proximidade dos eventos com o presente com até mesmo alguns dos envolvidos sendo capturados há pouco tempo. Outro ponto que chama a atenção é caracterização de Depp, encarnando o perigoso criminoso, afastando-se da imagem cristalizada do insano pirata Jack Sparrow de Piratas do Caribe.

A história começa apresentando Whitey Bulger atuando nas ruas do Sul de Boston, depois de cumprir uma pena de 10 anos em Alcatraz. Ele parecia ser querido pela comunidade local, mesmo tendo uma vida marcada pelas transgressões. O seu outro irmão, Billy Bulger (Benedict Cumberbatch), havia terminado de vencer a corrida para o Senado e não parecia guardar qualquer ligação com as atividades criminosas do irmão, ainda que fossem amigos. A gangue era pequena e restrita a uma zona da cidade até que uma inesperada oportunidade surge, trazida pelo amigo de infância John Connolly (Joel Edgerton). Ele havia terminado de ingressar no FBI e também queria “mostrar serviço”, com esse intuito ele acreditava que uma aliança com o antigo amigo traria benefícios a ambos.

Entretanto as coisas começam a fugir do controle e Bulger expande seus domínios sobremaneira, chegando a um ponto que John não mais podia conter. Os meandros dessa relação são contados de maneira arrastada por Scott Cooper e o time de roteiristas, a rotina dos principais envolvidos nessa teia é o que move a história em tela, mas sem nada de grande relevância acontecendo. É como se fosse um documentário, mas sem o tom investigativo e informativo ao passo que também não agrada como filme, pois essa forma plana de narração esbarra na estagnação e falta de inspiração para contar os eventos. É um relato quase noticiado por um apresentador, não existe impacto, ligação fica muito distante do espectador.

As atuações de Depp e Benedict são o ponto alto, enquanto Joel faz o feijão com arroz de sempre, não oferece nada destacável, tampouco compromete. Nessa rede de intrigas e interesses falta o aspecto emocional para estimular quem acompanha o que discorre na tela. As personagens são frias, não por suas características, mas pela forma como estão apresentadas. Ainda assim não será surpresa se vermos Johnny sendo indicado ao Oscar, pois se tem alguma aliança bem sucedida em todo esse contexto é a dele com a personagem que interpreta.

Intensidade da força: 7,5

2 opiniões sobre “Aliança do Crime”

  1. O filme acaba se valendo mais pela atuação de Depp mesmo. Tem até uma história interessante mas realmente falta uma empolgação maior para tornar esse filme inesquecível.

    1. Possa crer Márcio! Fosse melhor trabalhado esse lado cinematográfico teríamos uma obra muito mais completa.

      Abraços!

Deixe seu comentário