A Travessia

a travessia

Título Original- The Walk
Título Nacional- A Travessia
Diretor- Robert Zemeckis
Roteiro- Robert Zemeckis/Christopher Browne
Gênero– Aventura/Biografia/Drama
Ano- 2015

– Linha de risco… 

A corda fixada entre as pontas das Torres Gêmeas por Philippe Petit (Joseph Gordon-Levitt) são as mesmas para sua vida de constante auto desafio. Sempre tentando impor-se à desconfiança da família num primeiro momento, depois Papa Rudy (Ben Kingsley) e daí por diante, todos aqueles que riam ou faziam pouco caso de seu estranho sonho de equilibrar-se entre locais improváveis. Essa marca dará o compasso em A Travessia, novo filme do oscarizado diretor Robert Zemeckis que há algum tempo não consegue reproduzir obras especiais como Forrest Gump, Náufrago ou De Volta para o Futuro. Aqui ele busca o equilíbrio que imortalizou o próprio protagonista quando do desafio de atravessar o World Trade Center na década de 70.

Philippe Petit era um garoto frânces normal que havia encontrado nas artes performáticas um passatempo divertido e inspirador, mas com o passar do tempo seu pai não aceita mais aquilo como única dedicação do filho e o expulsa de casa. Convicto de que nada seria melhor para ele do que os malabarismos na corda de equilibrar ele vai para as ruas de Paris aventurar-se como artista de rua, lá conhece a jovem Annie (Charlotte Le Bon) e rapidamente os dois se envolvem. Só que a necessidade de superar os limites nunca era saciada e Petit põe como meta cruzar os enormes edifícios símbolo que estavam por terminar em Nova Iorque. Ele então desembarca na “cidade que nunca dorme” para conhecer de perto o tamanho da pressão que o aguardava, comprovando que não seria nada fácil.

Contando com a ajuda de mais dois amigos (chamados de cúmplices pelo narrador-protagonista), Jean-Louis (Clément Sibony) e Jean-François (César Domboy), eles irão somar esforços para alcançar o feito. Usando uma mistura de gêneros de obras como Onze Homens e um Segredo Robert Zemeckis tenta criar uma conexão mais intensa com o espectador, somando ao próprio desafio de cruzar as Torres, o outro obstáculo que seria driblar toda a segurança a fim de conseguir acesso até o topo dos prédios. Boa parte do filme se desenrola nisso, enquanto o pedaço final fica por conta da parte mais representativa, a travessia.

No geral é um filme sem muitas surpresas ou muita elaboração. A cena final consegue criar um clima de tensão, misturada com alguma leveza característica da própria personagem principal, mas não é nada muito impactante ou especial. As atuações não tem muito destaque, mantendo o nível aceitável. A opção pela narração é interessante e consegue passar um pouco de como o equilibrista sentia-se, ao passo que retira alguma apreensão e dúvida por quem assiste, talvez seja um dos desafios na portagem de livros para o cinema, pois fica difícil conseguir um equilíbrio no transporte das sensações de um formato para o outro. Talvez este fosse um filme em que o melhor seria dispensar a narração ou simplesmente utilizá-la de modo menos presente. De qualquer forma, é uma obra interessante pela história que aborda, mas não consegue repassar a adrenalina do desafio em que se foca.

Intensidade da força: 7,0

4 opiniões sobre “A Travessia”

  1. Porra man, eu achei um filme bastante impactante. A história da travessia é genial. O cara em busca desse sonho maluco que tem tudo pra dar errado, mas da certo. O limite entre loucura e arte. Eu gostei bastante.

    1. AHAHA! A forma como as coisas tocam a cada um difere mesmo Ramon. Falando desse jeito que você põe eu concordo contigo, mas não me convenceu a forma que o filme usa para transpor essa intensidade que a história e o personagem parecem ter.

      Achei corrido. Ele convence as pessoas muito facilmente. Os elos não são formados de forma crível, não a ponto daqueles “cúmplices” dele fecharem com tanta convicção em ajudá-lo. O filme peca em construir isso a meu ver.

      Daí fica parecendo tudo muito solto e perde essa força que eu até observo semelhantemente a você quanto ao sonho buscado pelo protagonista.

      Valeu pela participação!

    1. É um filme agradável Marcio, mas longe de ser algo que mereça você ficar lutando para assistir. Já está saindo de cartaz inclusive. Acho difícil você conseguir sessões fáceis já essa semana.

Deixe seu comentário