Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros

jurassic world

Título Original- Jurassic World
Título Nacional- Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros
Diretor- Colin Trevorrow
Roteiro– Rick Jaffa/Amanda Silver
Gênero- Ficção/Aventura/Ação
Ano– 2015

– Dinossauros milionários…

Até o lançamento, o sentimento que permeava a produção era de expectativa e alguma desconfiança, depois disso passou para satisfação e surpresa. Satisfação por terem conseguido um realizar um filme bom no geral e surpresa pelos números avassaladores de bilheteria, batendo recordes tanto a nível mundial como doméstico (EUA). O retorno de uma das franquias mais famosas do cinema alcançou um resultado financeiro muito acima do que as mais otimistas previsões podiam antecipar. Agora é colher os frutos disso e administrar com competência o futuro que com certeza será novamente explorado pelo Estúdio Universal.

Tudo começa com a ida dos dois garotos, Gray (Ty Simpkins) e Zach (Nick Robinson), ao encontro de sua tia Claire (Bryce Dallas Howard). Estava programado um final de semana de diversão e reencontro de família no parque gerenciado por ela. Só que não se tratava de qualquer lugar, mas sim do Jurassic World, um local em que os dinossauros ganhavam vida e eram atrações turísticas para um grande número de pessoas. Poucos detalhes são revelados de quanto tempo ele estava em funcionamento e se o acesso era conhecido de muitas pessoas, pois o pequeno Ty se impressiona com tudo, como se nunca tivesse visto nada do tipo e até mesmo o aborrecido irmão também se encanta e admira-se com diversas atrações. Aliás, uma dos pontos questionáveis sobre o longa é justamente a ausência de maior base. Embora haja inúmeras referências aos filmes anteriores não existe um elo direto, exceto pela localização da atração, mas pouco é tratado ou informado de como tudo chegou ao estágio que é apresentado na película.

Após o encontro com a Tia os jovens são deixados aos cuidados de Zara (Katie McGrath) que logo os perde de vista. Concomitantemente a personagem de Chris Pratt (Owen) é introduzida também sem muitas considerações, mas ele é uma espécie de adestrador dos Raptors, espécimes conhecidos na série de filmes cinematográficos. Logo, logo os problemas começam a surgir por causa da nova criação, o Indominus Rex, um híbrido que deveria ser a mais nova sensação para o complexo. Este animal foge e mostra-se extremamente inteligente e cruel, trazendo pânico e terror a todos que estão no parque.

Owen irá assumir a posição de herói e Claire será a sua parceira feminina típica, com o fim de aliviar a testosterona e também contribuir para identificação mais fácil com o público. A estratégia, ainda que banal, funciona a contento por conta dos atores envolvidos aparecerem bem no vídeo e atuarem satisfatoriamente. Chris tem um ótimo perfil para o tipo herói suave e intrépido, enquanto Bryce consegue aliar muito bem a frieza de uma alta executiva com a femininidade responsável por suavizar a aridez inicial que sugere. Os efeitos especiais estão excelentes, os dinossauros são focados de perto inúmeras vezes e nota-se o capricho em como foram concebidos. A parte final do filme é o ponto máximo e responsável por elevar a qualidade que vinha apenas razoável até aquele instante.

No geral esse novo “Parque dos Dinossauros” é um filme divertido, animado e bonito de ser visto. Quase não possui alguma história, mas consegue manter-se minimamente compreensível dentro das poucas bases que levanta. Não abusa dos momentos de ação como Michael Bay e termina conseguindo um balanço bem equilibrado ao final. Agora é colher os frutos que estão caindo volumosamente da árvore de dinheiro a qual o filme corresponde e dar uma boa alavancada nos ativos da Universal, num ano como há muito o estúdio não emplacava.

Intensidade da força: 7,5

4 opiniões sobre “Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros”

  1. Realmente os números e o retorno na bilheteria foram surpreendentes mesmo.

    Como você disse, é um filme divertido e eu gostei do que vi. Já estou até torcendo pela confirmação do Chris Pratt como o novo indiana Jones, ele tá mandando muito bem!

    1. Pois é Márcio eu não contive o riso com a cara do Chris na cena final quando ele está frente à frente com a Bryce Dallas. Aquele olhar dele para ela ficou impagável.

  2. me surpreendi tanto pelo enorme retorno financeiro como pelas críticas positivas…

    estava até pensando em aguardar o filme sair em blu ray, mas pelo jeito vale a pena a ida ao cinema.

    bacana ver o chris pratt estrelando um blockbuster e correspondendo as expectativas.

    1. Sim Bruno é bom ver o Chris se consolidando. Acho ele um cara muito bom para determinados tipos. Os boatos dele como Indiana me agradam muito, por exemplo.

      O filme está inflado para o que realmente é, mas acho que muito disso se deve ao tempo que ficou sem nada relevante no estilo no cinema e, bem ou mal, o nome da franquia “Parque dos Dinossauros” tem muita força, talvez mais do que imaginavam.

Deixe seu comentário