Maze Runner: Correr ou Morrer

Título Original– The Maze Runner
Título Nacional– Maze Runner: Correr ou Morrer
Diretor– Wes Ball
Roteiro– Noah Oppenheim/Grant Pierce Myers
Gênero– Mistério/Ação/Ficção
Ano– 2014

– Labirinto mortal…

Baseado em mais uma série de livros moderna que fez bastante sucesso, chegou aos cinemas em setembro a ficção cheia de mistério: Maze Runner. Os livros tem a autoria de James Dashner e a série literária conta com 3 títulos e um último livro relacionado com a história principal, mas que revela a origem da trama criada. Este último não fez sucesso e não será adaptado para o cinema, já os principais renderam bons frutos e agora tiveram sua versão na telona e o produto final ficou bem interessante, diga-se de passagem.

Tudo começa com a chegada de Thomas (Dylan O’Brien) a um estranho grupo de outros jovens. Ele mal se lembrava do próprio nome, mas é bem recebido no ambiente, visto que os demais também tinham passado pela mesma experiência. Tudo era muito estranho para todos, pois ao redor da pequena área reservada existiam muros enormes, os quais guardavam um labirinto cheio de mistérios mortais. Ninguém que tinha passado a noite ali dentro havia sobrevivido, mas Thomas era diferente dos demais e terminará por trazer inúmeras mudanças à pequena comunidade ali criada.

A inquietação do protagonista logo traz complicações, especialmente quando ele liquida um dos guardiões do labirinto, uma aranha-escorpião cibernética responsável pela eliminação daqueles que ficassem presos atrás dos muros. Devido a uma crise no acampamento isso termina acontecendo. As consequências imediatamente serão sentidas por todos, forçando-os a decidirem-se como agirão frente aos perigos. Abrir muito a respeito do que acontece e como a história é contada pode estragar a experiência daqueles que se incomodam com qualquer ponta de antecipação.

O que vale salientar é que Maze Runner talvez seja um dos melhores filmes já transportados nesse nova onda de adaptações que acontece em Hollywood. Com um elenco composto de jovens atores, talvez pouco conhecidos do grande público, mas com experiência em outros filmes como: Newt (Thomas Brodie-Sangster), Gally (Will Poulter), Teresa (Kaya Scodelario)- a única mulher entre os componentes – e o líder Thomas, o resultado é um elenco capaz de levar adiante toda a pressão de estar num filme com bom destaque e não se intimidarem. As interpretações são boas e aliadas a um roteiro coeso a experiência se torna positiva no final das contas.

A lamentar ficam os efeitos especiais ruins, talvez por limitação orçamentária, então os Grivers (aranhas) sempre que aparecem é certeza de uma cena escura, pouco detalhada e muito entrecortada, para evitar possíveis furos, mas a forma como Wes Ball lidou com isso deixou a desejar e fica bastante aquém do mínimo. Mesmo com este problema o restante é interessante e como sempre apresenta algumas boas mensagens de sobre coragem para enfrentar os desafios, ter força para decidir mesmo que seja difícil. Tudo isso resulta numa obra intrigante e que prende quem assiste. Resta saber se conhecerá novas adaptações. A torcida fica para que sim, pois o final deixa a vontade ainda mais atiçada para futuros eventos. A expectativa fica para mais recursos e não mais os arremedos realizados dessa vez.

Intensidade da força: 7,5

2 opiniões sobre “Maze Runner: Correr ou Morrer”

  1. Em relação ao livro confesso que achei o filme um pouco superior, pelos menos no início na questão da inquietação do protagonista que, no livro, é um verdadeiro chato de galochas.

    Já o desfecho do filme não ficou tão legal, ainda que siga claramente o que acontece no livro, a forma como foi apresentada ficou parecendo assim:

    “Otários que assistiram esse primeiro, toda essa premissa de labirinto que criei foi só pra fisgar vocês, o filme acaba assim mesmo e a segunda fase vem depois.”

    heheheh

    Achei um filme apenas bonzinho, daria uma nota 6,5 pra ele

    1. Pelo menos viram que tinha que aliviar no protagonista em comparação com o original. Já sobre a forma como o filme foi conduzido, bem, eu já esperava que fosse no caminho apresentado no final então não me causou qualquer surpresa.

      A pessoa também tem que saber o que vai assistir e já ter em sua mente um arcabouço do que está por vir, caso contrário vai perder muito do que seja trabalhado na obra.

Deixe seu comentário