Guardiões da Galáxia

Título Original- Guardians of the Galaxy
Título Nacional- Guardiões da Galáxia
Diretor- James Gunn
Roteiro–  James Gunn/Nicole Perlman
Gênero– Ação/Ficção/Aventura
Ano- 2014

– Partindo para o ataque…

Esse é o objetivo da Marvel com o lançamento de Guardiões da Galáxia filme mais ousado da produtora até então lançado. Com uma premissa de difícil execução, fosse pelo material criativo ou pelas opções que seriam oferecidas só havia uma certeza no projeto: o ponto de mistura tinha que ser perfeito, caso contrário a chance de ficar bobo e excessivamente caricato eram enormes. Num grupo de heróis em que uma árvore, Groot (Vin Diesel) e um texugo, Rocket (Bradley Cooper) estão entre os principais a medida para a infantilização é muito tênue e tudo podia descambar para o fracasso. Só que quando a maré é boa tudo dá certo. A Marvel acertou outra vez e conseguiu este balanço tão delicado e esta química tão instável não explodiu, mas expandiu-se e alcançou o coração de todos. E assim o longa está tendo números expressivos de bilheteria e boas opiniões, seja do público como da crítica.

Tudo começa com a abdução daquele que viria ser o líder do time, Peter Quill (Chris Pratt), logo após a morte da mãe. Passam-se muitos anos e ele agora é uma espécie de contrabandista espacial e está à caça de um orbe para um cliente. Assim que encontra o objeto rapidamente ele já é marcado como alvo por outros interessados nessa relíquia, aparentemente sem grande valor. Ele consegue escapar, mas apenas adia sua captura para outro momento, quando irá encontrar-se com Rocket, Groot e Gamora (Zoe Saldana) também seus perseguidores naquele momento, cada um com seus motivos. Na prisão eles conhecerão Drax (Dave Bautista) que se mistura ao grupo por outras razões e a partir dali estaria formado os Guardiões da Galáxia, ainda que ninguém acreditasse nisso, nem mesmo eles.

Essa mistura de improbabilidades e incertezas, até mesmo dentro da própria história contada, é o que faz o filme ser tão especial. Assim como a Marvel acreditou nesse trabalho, os atores e suas personagens também o fizeram e se entregaram nessa crença sem pudores ou reservas. Basta ver como a dublagem de Rocket por Bradley Cooper está simplesmente sensacional e mesmo Groot, que tinha tudo para ser o elo fraco é apresentado e caracterizado a contento e também não compromete. Aliado a isso um trabalho visual impressionante. Os efeitos são muito bonitos em grande parte do tempo, exceto pela aparição de Thanos, nos demais momentos tudo é bastante competente e convincente.

Outra vez a Marvel também mostra sua perspicácia na escolha do elenco, mesclando nomes já conhecidos como Zoe Saldana e Bradley Cooper ela dá a Chris Pratt a melhor chance da carreira e ele encaixa-se brilhantemente no papel. O próprio Drax também está muito bem caracterizado pelo desconhecido Dave Bautista. É possível que hoje em dia quando alguém é convidado para estar num filme do estúdio o candidato fale: “Não importa o que venha! É minha chance de alcançar o céu! Estes caras não erram!” esta confiança pode ser uma das justificativas para desempenhos sempre tão bons, mesmo que vindos de fontes improváveis.

Com uma tocada mais leve recheada de momentos engraçados o filme consegue agradar em cheio e ao mesmo tempo desviar a atenção de problemas como os eventos corridos e pouco desenvolvidos a despeito de como a equipe se forma e como tudo conduz para a consolidação sem muita preocupação com a razão naquela mistura. Personalidades complicadas de repente estão se chamando de amigos e acreditando uns nos outros, não é que foi mal feito, mas sim corrido demais. A própria trama na qual o filme se funda está mais para um pretexto do que para algo realmente relevante. O vilão Ronan (Lee Pace) é desinteressante por ser genérico em sua concepção e objetivos, não por estar mal representado.

Ainda que tenha estas falhas isso não o faz um filme fraco, mas passível de melhora. O primeiro passo foi dado para este grupo ser inserido no mega universo da editora e com o sucesso estrondoso que vem tendo, nada impedirá que os Guardiões tenham outras aparições, seja em filmes solo ou mesmo dentro de outras obras. A trilha sonora é outro show a parte e muito bem empregada, dando aquele toque final ao que acontece na tela, seja nos momentos de clímax ou simplesmente para compor alguma cena mais engraçada. Um prato cheio para quem curte bons filmes dos gêneros.

Intensidade da força: 8,5

2 opiniões sobre “Guardiões da Galáxia”

  1. Se esse filme fosse melhor eu teria um aneurisma cerebral no cinema hahahhaa

    Sério man, ele foi feito por encomenda, tem tudo o que gosto nele, principalmente a trilha sonora que não paro mais de ouvir.

    Ri, do início ao fim. Adorei os personagens, Groot é puro amor, porra man.

    Que bom que curtiu também, esse coração escuro tá quase se salvando com as gemas do infinito, mas ainda pode se alegrar mais hahaha

    1. AHAhAH! Boa Márcio! Também gostei muito do filme, mas vi algumas coisas que me pareceram mais despistes do que realmente bom trabalho, de qualquer maneira o que importa é temos aí mais uma boa obra para curtimos.

      Abraços!

Deixe seu comentário