Restrospecita 2013

Um ano antológico para o cinema. Este foi 2013. Não há como negar tal fato, o próprio Oscar confirma. Além disso, tivemos uma profusão enorme e contínua de excelentes obras durante quase todo o ano, colaborando e muito para o balanço extremamente positivo. Poucas vezes fomos assistir à premiação tão ansiosos e contentes por vermos tão boas opções inclusas e lamentarmos ou comemorarmos de forma tão equilibrada a vitória ou derrota de cada escolhido.

Ver Matthew McConaughey conquistar seu primeiro prêmio foi algo muito recompensador para mim, pois sempre enxerguei seu talento, mesmo antes disso, ou seja, o Oscar, para mim não foi uma surpresa, apenas a reafirmação. Não duvido que ele deva ter sentido a mesma coisa.

Neste prêmio já vivo o contraste entre alegria e tristeza, pois gostaria mais que Chiwetel Ejiofor levasse a honraria, tendo em vista sua história de vida e o filme em que foi protagonista, mas a vitória de Lupita Nyong’o compensou um pouco esta sensação, aliado ao título merecidíssimo de uma das obras mais marcantes, impactantes e tocantes que já tive o prazer e satisfação de assistir num cinema, 12 Anos de Escravidão. Sentimento este que a Academia com certeza compartilha ao reconhecer tal produção como melhor do ano, tendo dado boa parte dos Oscar’s para Gravidade.

Um ano em que vimos Joaquin Phoenix ficar de fora das indicações, mesmo tendo uma atuação ótima, como quase sempre acontece. Pude ver minha certeza se concretizar ao ver Cate Blanchett conquistar o prêmio como melhor atriz, bola que cantei no instante que saí da sala de cinema com minha noiva. Menciono tal detalhe não para me vangloriar, pois achei que Chiwetel Ejiofor até mereceu mais o Oscar que Matthew, bem como Michael Fassbender por sua atuação. Destaco tal previsão por conseguir, de fato, em tantos anos de visualizações e experiências cinematográficas ter desenvolvido minhas impressões à ponto de realmente entender um pouco daquilo que me é apresentado por estes grandes artistas, responsáveis por inúmeros momentos de alegria nesse mundo, às vezes tão triste.

Depois dessas considerações fecho meu top 2013, uma lista que deixa de lado ótimas produções, mas também evidencia claramente o alto patamar alcançado. Lembrando sempre o nosso mote: “Cinema levado a sério sem ser chato”. O Power Cinema não se importa com aquilo que é dito ser bom, pois as convenções assim impõem, mas com o que realmente despertou algo importante enquanto assistimos. Sem maiores delongas…

Top 10 Movies 2013

10- Gravidade:

Assim como conseguiu contar sua história em apenas 90 minutos e ter levado a grande maioria dos prêmios a que concorreu, há pouco a acrescentar ou dizer sobre a obra de Alfonso Cuarón que rompeu as barreiras do gênero ficção científica, dando um caráter intenso, nervoso e direto neste ótimo filme.

9- Os Croods:

Reatesta a crescente da Dreamworks Animations, nessa reescalada do estúdio, depois da maré baixa com as péssimas continuações de Shrek e coisas como Micos no Espaço. Uma animação simples, mas muito bem realizada, para nós a melhor do ano, à frente do também bom, mas pouco inspirado Meu Malvado Favorito 2.

8- Homem de Aço:

O que dizer do filme que finalmente deu ao Super a história que merecia? Com um time poderoso envolvido: Zack Snyder dirigindo, David S. Goyer roteirizando e Christopher no suporte, finalmente o maior de todos os heróis teve sua apresentação dignificada ao patamar que sempre mereceu. Me desculpem saudosistas e puristas, mas Superman I é triturado por este bem retratado Homem de Aço.

7- Rush:

Quem gosta de carros, de velocidade, de Fórmula 1, não pode deixar de reconhecer a importância deste filme extremamente bem feito que conta a história de uma das maiores rivalidades do automobilismo. Ron Howard não poderia ter acertado mais com este trabalho. Será que Senna x Prost conhecerá a luz do dia? Seria ainda mais épico, não por sermos brasileiros, mas como tudo aconteceu faticamente.

6- Homem de Ferro 3:

Há quem diga ficou ainda pior que o segundo, que só o primeiro prestou, mas a verdade é que Iron Man 3 é tão bom quanto o primeiro em sua apresentação, pecando apenas em algumas escolhas criativas para o desenvolvimento da história, ainda sim há grandes méritos na conturbada decisão, nem que seja para reconhecer a ousadia.

5- Velozes & Furiosos 6:

O que Onze Homens e um Segredo tentou ser com suas continuações, mas nunca conseguiu, o time de Vin Diesel alcançou: Sucesso, longevidade e muito dinheiro para todos os envolvidos. Não há como esquecer: Como as coisas seguirão agora sem Paul Walker? É um mistério e uma grande tristeza se não prosseguir, mas, pessoalmente, há horas em que o melhor é parar.

4- Além da Escuridão: Star Trek:

Uma das provas da “epicidade” de 2013 para o cinema foi a estreia desse filme, muito esquecido nas premiações, talvez por seu lançamento ainda no começo do ano, mas que não retira de forma alguma sua importância. O filme que determinou a escolha de J.J Abrams para comandar Star Wars e, com isso, a esperança que ele consiga repetir na desgastada franquia o mesmo sucesso conquistado aqui.

3- Círculo de Fogo:

O que falar do melhor filme de 2013 até os momentos finais? Muito pouco, com certeza. Gosta de ação? Tem de sobra. Gosta de espetáculo? Está em doses gigantescas. Gosta de ficção? Dê asas aos seus sonhos mais grandiosos. Teve infância nos anos 80 e comecinho dos 90? Então não há como discordar ou fugir esta é a obra suprema. Somente nas mãos de um dos maiores sonhadores do meio ela seria possível com tamanha qualidade e impressionismo, Guillermo del Toro. Aqui o que se busca é sonhar. Refletir? Isso nós deixamos para os dois primeiros lugares da nossa lista.

2- O Lobo de Wall Street:

Tamanha não foi minha surpresa ao sair da sala e ser obrigado a dizer: “A lista vai ter um novo número 1”. Como sempre esta honra só poderia ser dada graças a reunião de um dos monstros vivos do cinema, Martin Scorsese, outra vez arrancando uma atuação excepcional de Leonardo DiCaprio, que, infelizmente, eu já dizia também: “Merece levar o Oscar, mas dificilmente será dessa vez”. Por quê? Cabeça de gente é um mistério, mas não é tão complicado de resolver na maioria das vezes.

1- Doze Anos de Escravidão:

Se para O Lobo de Wall Street eu já me surpreendi, imagina só qual não foi meu choque ao constatar que teria que empurrar Círculo de Fogo para a terceira posição e mais ainda o primeiro lugar naquele momento? Isso foi possível graças ao feito estupendo dessa obra única, mas tantas vezes contada, porém de uma perspectiva muito mais apurada, sensível, honesta e contundente. Um filme para sempre, assim como o tema que aborda.

2 opiniões sobre “Restrospecita 2013”

    1. AHAH grande Márcio. Eu tenho uma queda por carros e filmes de ação também chamam minha atenção, por maior que seja a canastrice de Velozes e Furiosos, por maior que sejam os momentos viajados não há como reconhecer que é o filme de ação dos tempos atuais. Ele não procura se afastar de tudo aquilo que o gênero tem para oferecer seja para o bem ou mal.

      Sim, assista Rush e se poque de rir com Os Croods! 😀

Deixe seu comentário