Blue Jasmine

Título Original– Blue Jasmine
Título Nacional– Blue Jasmine
Diretor– Woody Allen
Roteiro- Woody Allen
Gênero– Drama
Ano– 2013

– Tudo azul e perfumado…

…Pela atuação brilhante de Cate Blanchett (Jasmine) vencedora do Oscar 2014. Sim, o Power Cinema já declara quem será a vencedora da categoria melhor atriz feminina. Após ver Blue Jasmine filme do diretor e escritor Woody Allen fica difícil, para não dizer impossível, imaginar que alguém possa superar a representação intensa, dramática, desequilibrada, altiva dessa estupenda atriz.

Famoso por galgar ao sucesso certos nomes, especialmente do sexo feminino, Woody Allen carrega consigo tal capacidade, nem sempre justa, mas inegável que a possui. A escolhida da vez é Cate Blanchett, atriz já estabelecida como talentosa e premiada, ainda jovem, ou seja, ainda ganhará muitos prêmios para o deleite de quem aprecia uma boa interpretação acima de tudo. Neste longa ela está brilhante como poucas vezes presenciei numa atriz. Um misto irresistível e irretocável de loucura que atingiu o ápice da dramatização.

Não se limitando apenas a chorar, ela consegue transmitir elegância mesmo quando despedaçada, com sua voz profunda e grave, justificando a própria personagem que trabalha. O filme é dela somente, e como costuma acontecer em suas obras, Woody retrata aqui, outra vez, o drama da mulher como ente frágil, volátil e vibrante no mix perfeito do nome/título que a obra carrega. Jasmine, antes Jeanette (que trocara de nome, pois o achava incompatível com o brilho que ela lhe achava digno), está voltando para a casa de sua irmã, Ginger (Sally Hawkins), pois o marido tinha sido preso e com ele toda a fortuna da família tinha sido apreendida pelo governo.

Sem ter a quem recorrer, a irmã torna-se sua última alternativa e esta não lhe nega guarita, mesmo conhecendo o gênio perturbado da irmã. Vinda de uma realidade completamente distinta e chocada ainda por todo acontecido, ela vai tentar se reerguer de alguma maneira e é esta luta que Woody tentará passar na tela. Aqui se nota uma das razões dele ser tão adorado no meio cinematográfico. Usando e abusando dos planos de cena, ele conseguirá demonstrar apenas com a câmera cada instante vivido pela protagonista em todas as suas nuances. No roteiro estarão as crises e embates tão comuns em suas películas, o relacionamento humano sob destaque e Cate é a porta voz de todas as consequências que as más escolhas causam a uma pessoa.

É a mulher em toda a sua complexidade e simplicidade que Woody irá apresentar e Cate é a responsável por transmitir a mensagem com toda a entrega que somente uma grande atriz pode realizar. Não é um filme perfeito, no entanto, incorre nas mesmas falhas típicas do diretor/roteirista. O eterno pessimismo (marca de suas obras) deixa uma ponta fácil para como tudo irá se desenrolar. O sarcasmo chega a ser cruel e pode incomodar em certos momentos. É uma perspectiva de vida da pessoa por trás da obra, mas que, de vez em quando, poderia abrir espaço para mudanças. Sempre há aquele ar de desastre e desesperança no que Woody Allen realiza e saber fugir disso seria um refresco bem-vindo às suas obras.

Intensidade da força: 8,5

2 opiniões sobre “Blue Jasmine”

  1. O que você acha do filme estar sendo classificado como comédia ou comédia romântica? Tinha descartado de assistir o filme por causa do gênero até Carol me dizer que ela achava mais para drama. Agora lendo sua crítica realmente acho que a classificação está prejudicando o julgamento do filme para quem escolhe o filme sem muita pesquisa anterior (como eu!).

    1. É porque no meio do cinema existem algumas lendas e estereótipos Isabel. Um deles é achar que os filmes de Woody Allen são sempre perfeitos e imperdíveis e que ele faz comédia com toques de drama. Só que é justamente o contrário. Eu já assisti alguns filmes do diretor e nunca consegui perceber a comédia que tantos entoam em seus comentários a respeito.

      O caso é o mesmo em Blue Jasmine. É um típico filme de Woody só que, neste caso, ancorado por uma atriz fenomenal e com um enfoque um tanto diferenciado de outros títulos do diretor. A comédia é muito leve e não está lá para fazer rir propriamente (é estranho, mas se eu explicar porque ficará muito grande. AHAH!).

      O filme é muito mais drama, mas como é realizado por um cara que sabe tratar do assunto a coisa fica muito bem feita sem ser pesada ou aborrecida.

      Outra coisa que te aviso. Existem filmes que mesmo com uma classificação que possa te desestimular merecem serem vistos apenas pela presença de um ou certos atores. Um (a) desses (as) nomes é o de Cate Blanchett. Qualquer filme que ela esteja é quase certeza de ser algo, no mínimo, bom. Todo o resto pode ser ruim, mas ela nunca será ruim. 🙂

      Abraços e pode conferir sem medo.

Deixe seu comentário