Sem Dor, Sem Ganho

Título Original- Pain & Gain
Título Nacional- Sem Dor, Sem Ganho
Diretor– Michael Bay
Roteiro- Christopher Markus/Stephen McFeely
Gênero- Comédia/ Ação
Ano- 2013

– Com dor, sem ganho…

O filme é baseado numa história real ocorrida nos Estados Unidos, na cidade de Miami. Com um enfoque mais voltado para a comédia e valores de produção mais modestos, Michael Bay se aventura numa aposta um tanto fora do trivial em suas obras de valores astronômicos e muitas explosões.

O centro da trama gira em torno de Daniel Lugo (Mark Wahlberg) um personal trainer inconformado com sua realidade simplória e que almejava muito mais. Em sua sede por sonhos maiores ele termina optando por caminhos perigosos e ilegais, para isso ele irá convencer seu colega Adrian Doorbal (Anthony Mackie) e em seguida Paul Doyle (Dwayne Johnson).

O alvo do grupo será o pequeno empresário falastrão Victor Kershaw (Tony Shalhoub). Eles irão sequestrá-lo e fazer com que passe todos seus bens para a gangue de “marombeiros”. Claro que a falta de experiência irá pesar na hora “H”, muitas coisas acontecerão e é esta história que o filme tenta contar.

O mais interessante de Pain & Gain são as personagens. Tanto os reais em que se baseiam quanto os fictícios. A proposta mais voltada para a comédia é bem acertada e ajuda a tirar o peso de uma situação que começa sem grandes más intenções, mas toma rumos muito piores à medida que se desenrola.

É curioso notar um diretor como Michael Bay trabalhando em outras vertentes e conseguindo um resultado até aceitável. Existem críticas veladas ao capitalismo em geral e o seu constante estímulo à cultura do exibicionismo, ainda mais numa cidade turística e de aparências como Miami. Sem falar do efeito nocivo que o “american way of life” pode causar aos mais fracos de caráter.

Todavia, pode ser que estas mensagens se percam numa narrativa que peca pelo exagero, curiosamente naquilo que mais critica, quando força demais os personagens a situações cômicas deixando tudo aquilo parecer algo por demais caricato. À semelhança de suas produções mais badaladas.

Dwayne Johnson agrada bastante no papel do mais atrapalhado e “inocente” do grupo, enquanto Mark Wahlberg se esforça como líder, mas lhe falta competência para suportar um papel principal, por fim Anthony Mackie não compromete. Uma pedida interessante para se conferir, mas não espere uma obra intrigante ou surpreendente.

Intensidade da força: 6,0

Uma opinião sobre “Sem Dor, Sem Ganho”

Deixe seu comentário