O Cavaleiro Solitário

Título Original– The Lone Ranger
Título Nacional- O Cavaleiro Solitário
Diretor- Gore Verbinski
Roteiro- Justin Haythe/Ted Elliott
Gênero- Aventura/Ação/Faroeste
Ano- 2013

– Missão solitária…

E a Disney continua sua incessante busca por substituto para Piratas do Caribe. A bola da vez agora é O Cavaleiro Solitário novo filme do estúdio que chegou aos cinemas brasileiros recentemente. Se valendo de chamarizes como: “Do mesmo time de Piratas do Caribe” e “Com Johnny Depp (Tonto)”, a produção já começa a escorregar desde logo por adotar tal método, ao invés de buscar a autoafirmação por seus próprios méritos. Inspirado num seriado para a TV do passado os responsáveis tentaram recriar toda a ambientação típica do período.

A história se passa nos tempos do desbravamento do Meio Oeste americano, ainda quando os índios povoavam a região e criavam resistência a expansão dos brancos, especialmente a famosa ferrovia que cruzou o país e permitiu definitivamente o estabelecimento das bases para o crescimento da nação. Num ambiente naturalmente hostil os desbravadores ainda tinham que enfrentar os criminosos que também queriam tirar proveito daquela onda expansionista. Os “Rangers” eram os policiais daquela região e Dan Reid (James Badge Dale) coordenava o grupo.

Noutra ponta estava o índio Tonto que irá cruzar com John Reid (Armie Hammer), irmão de Dan, num trem a caminho de sua cidade natal. Um perigoso bandido estava a bordo, Butch Cavendish (William Fichtner), a caminho para cumprir sentença pelos crimes cometidos. Quando Butch tenta fugir é dada a largada para a ação desenfreada que será a tônica do longa. O problema é que nem só de ação e belos efeitos vive uma boa produção. Enquanto é possível notar ótimos momentos em meio a todo o frenesi o balanço fica comprometido quanto ao desenvolvimento dos personagens. Tudo é muito rápido e sempre apelando para um humor que não convence e a narrativa se enfraquece.

É uma pena um investimento altíssimo talvez não conseguir retorno. Com cerca de 250 milhões de dólares a Disney já decretou como fracasso o lançamento de Cavaleiro Solitário. Assim como John Carter, não se tem aqui um filme ruim, mas muito inconstante e que não consegue se sustentar por ter bases muito frágeis. A atuação de Depp até ficou interessante, mas os demais personagens e o esquema de reviravoltas muito assemelhado ao visto em Piratas do Caribe termina cansando. Outro ponto a considerar é a duração, se tivesse cerca de 30-45 minutos a menos poderia conseguir um equilíbrio bem maior, porém os exagerados 150 minutos não se justificam para uma trama tão rasa.

Intensidade da força: 5,5

2 opiniões sobre “O Cavaleiro Solitário”

    1. Pois é Márcio, não vale a pena parar para assistir o filme, fazer uma programação para tanto. É uma obra com altos e baixos, onde os momentos fracos predominam, resultando num balanço medíocre. É capaz de na TV você achar até melhor! AHAHA!

      Abraços!

Deixe seu comentário