O Impossível

Título Original- Lo imposible
Título Nacional– O Impossível
Diretor– Juan Antonio Bayona
Roteiro– Sergio G. Sánchez/Maria Belon
Gênero– Drama
Ano– 2012

-Impossíveis probabilidades…

Qual a chance de uma família ir passar as férias na Tailândia e esta ser justamente a época em que o tsunami invadiu a costa daquele país? Qual a chance dessa mesma família sobreviver a tudo isso, sendo que possuem 3 filhos pequenos? É esta experiência que busca ser retratada no drama O Impossível que se baseia numa história real e por isso tudo que é retratado aumenta ainda mais em termos de intensidade.

O grupo é tomado de surpresa quando a onda chega e eles ainda estavam num resort à beira da praia, para conspirar ainda mais contra as chances dessas pessoas. A mãe, Maria (Naomi Watts), e seu filho mais velho, Lucas (Tom Holland) conseguem ser arrastados na mesma direção. A cena da inundação causada pela onda não conta com o impacto da mostrada em Além da vida, mas consegue passar toda a dimensão da dificuldade extraordinária que uma pessoa encontra numa situação daquelas.

Depois do primeiro susto eles ainda têm que escapar de mais uma onda e o instinto de sobrevivência aliado a muita sorte consegue ajudar mãe e filho a superarem este drama. O livro é escrito pela mãe então a riqueza de detalhes fica por conta da parte tratada por ela, enquanto o lado do marido, Henry (Ewan McGregor), e seus outros dois filhos, Thomas (Samuel Joslin) e Simon (Oaklee Pendergast), não é muito destacado. A história gira toda em torno da luta dessa família para sobreviver em meio a toda esta tragédia e o esforço de Naomi é recompensado, pois ela entrega muita fidelidade em sua interpretação e, impressiona o que a autora teve que passar só de imaginar pelo filme.

Uma produção dessas foca muito no elenco e todos estão bem em suas atuações. A parte técnica do longa não conta com muito destaque. Há um esforço constante em se conseguir espremer ainda mais dramaticidade nas situações extremas, mesmo sendo totalmente desnecessário. Os constantes fundos musicais lentos e titilantes tentam intensificar, mas de nada adianta, mais atrapalhando que outra coisa. A parte do marido poderia ter sido mais bem explorada, mesmo que a obra original não se aprofunde nessa parte, seria uma adição bem vinda se fosse feita pela equipe técnica.

O balanço final é positivo para a obra, mas não com grande destaque. Trata-se de um longa razoável tecnicamente, mas que consegue alguma sobra pela atuação intensa de Naomi Watts e um suporte sólido dos demais componentes, mas fica só nisso. O final parece um tanto forçado pela sucessão de coincidências que soa totalmente artificial e planejada para causar impacto, mas não necessário, pois a própria situação já era difícil o suficiente. Dá para ser recomendado na falta de outras opções, mas nada que seja muito marcante.

Intensidade da força: 6,5

2 opiniões sobre “O Impossível”

  1. Show de bola grande Márcio! Depois de uma sumida é bom ver você postando aqui novamente. O filme agrada pela força da atuação da Naomi e a inspiração real (tem as fotos da família quando os créditos aparecem), tanto que foi indicada e até merecia mais que a queridinha do momento Jennifer Lawrence. No mais, se tivessem se contentado com o drama próprio da situação já seria suficiente.

  2. Tem o lance que é forte logo no início né? Mostra quanta gente morreu e diz que a história é baseada em fatos reais.

    Fora que é tudo muito visceral e dolorido de se ver.

    Ai chega aquele final “calma, está tudo bem agora” para fechar.

    Acho que sua intensidade da força está muito condizente com este filme

Deixe seu comentário