Jack Reacher: O Último Tiro

Título Original- Jack Reacher
Título Nacional- Jack Reacher: O Último Tiro
Diretor- Christopher McQuarrie
Roteiro-Christopher McQuarrie/Lee Child
Gênero- Ação/Policial
Ano- 2012

– Último de muitos…

 Seguindo a cartilha dos filmes policiais mais focados no desenvolvimento do que na ação, Jack Reacher chegou aos cinemas brasileiros há pouco tempo. A obra se baseia num livro e já se nota tal característica no começo da exibição, pois a forma como se desenrola é diferente daqueles que se baseiam em ideias pensadas diretamente para o cinema. Tendo Tom Cruise (Reacher) no papel principal e com a parceria da curiosa Rosamund Pike (Helen), o longa cumpre seu papel, mesmo que não possa ser erigido ao patamar de referência.

Tudo começa com um atentado que vitima 5 pessoas, quando a polícia começa as investigações logo chega ao suspeito Barr (Joseph Sikora) o qual é dado o tratamento especial da corporação como reza a cartilha para os crimes bárbaros. Os outros bandidos o massacram quando ele é convenientemente deixado sozinho com eles. Hospitalizado ele chama por Jack Reacher que prontamente atende ao seu pedido, mas termina não cumprindo uma antiga promessa que os dois haviam feito nos tempos de serviço militar.

O que acontece é o encontro com a advogada de Barr, Helen, e ela imediatamente vê em Reacher a possibilidade de conseguir livrar seu cliente de uma pena máxima (morte), além de satisfazer seu ego profissional. Ela poderia dar uma lição no pai, Rodin (Richard Jenkins), promotor de justiça daquela região com o qual tinha sérias desavenças. A trama então se desenvolve a cada passo que a dupla desvenda mais sobre o incidente, descobrindo que havia algo mais no crime do que a polícia num primeiro momento podia perceber.

Seguindo a típica cartilha de filmes investigativos e contando com doses de ação bem ajustadas e sem exageros é possível notar uma obra focada em não exagerar nos méritos do protagonista. Mesmo que Jack seja um agente super treinado ele é um humano e a todo instante isso fica claro no filme, não dando a sensação de invencibilidade típica deste tipo de produção. Uma das lutas mostra isso com bastante exatidão quando os envolvidos trocam apenas meia dúzia de golpes letais e logo ficam quase que incapacitados. Um ponto positivo a ser destacado.

Todavia, mesmo que tenha seus méritos, Jack Reacher padece dos defeitos típicos deste tipo de estória. É a mesma coisa de sempre, um super agente vai se envolver numa trama maior que aparenta ser, com as surpresas manjadas de sempre e um vilão para lá de estranho só que sem nenhum desenvolvimento, tendo de assustador apenas a aparência e nada mais. Tom Cruise está bem no papel, não se deixando levar pelos exageros que notabilizaram suas atuações, tampouco caindo na armadilha do mocinho galante. Uma produção sólida no pacote geral e que merece sim sua atenção caso este tipo de trama te chame a atenção.

Intensidade da força: 7,5

Deixe seu comentário