Curvas da Vida

Título Original- Trouble with the Curve
Título Nacional– Curvas da Vida
Diretor– Robert Lorenz
Roteiro- Randy Brown
Gênero– Drama/Romance
Ano– 2012

– Problema no roteiro…

Um filme que estampa no cartaz a figura de Clint Eastwood (Gus) gera uma expectativa grande, haja vista o ator/diretor ter conhecido enorme reconhecimento na última década. É um fato que Clint evoluiu demais durante sua vida artística, desde um ator carismático, mas pouco convincente, para um diretor competente e um ator também convincente. Neste último longa existem alguns trechos que comprovam essa evolução e também remontam a possíveis questionamentos pessoais a cerca da velhice.

Gus é um olheiro de talentos para o baseball e vê no trabalho seu único propósito na vida. Quando os sinais do avanço do tempo começam a afetar sua atividade ele tenta ignorar tal fato e seguir com a vida, mas isso não é nada fácil. Sua filha, Mickey (Amy Adams), não mantém um bom convívio com ele, porém se compadece ao saber do problema do pai e busca ajudá-lo, mesmo encontrando forte resistência por parte dele.

O filme gira em torno dessa premissa, traçando linhas que buscam entender como os acontecimentos na vida das pessoas as afetam e como tudo isso se estende a outros que não precisam ser envolvidos. No caso em tela, a filha sofre com a dificuldade do pai em se aproximar e ser seu amigo de fato, ainda que ele acredite nunca ter feito nada de errado. É curioso este embate, muito embora seja retratado de maneira um tanto clichê na trama. Ainda há o envolvimento do ex-pupilo de Gus, Johnny (Justin Timberlake) com sua filha que completa as razões de agir dessa personagem.

É curioso ver Clint num filme que pouco agrega em seu currículo, mas nem só de obras com pretensas profundidades ou dramaticidade se faz um ator. É preciso, às vezes, sair um pouco da linha e se arriscar em algumas curvas e é isso que Clint se propõe aqui.

É um longa que realiza aquilo que se propõe, ainda que isso seja algo bem superficial, não há muito destaques. Há aquela montanha russa típica dos dramas banalizados que lotam Hollywood, com a diferença que aqui temos o carisma enorme de dois fortes protagonistas e um suporte que não compromete de Justin. Vale a pena conferir, nem que seja para desanuviar

Intensidade da força: 7,0

Deixe seu comentário