As Aventuras de Pi

Título Original– Life of Pi
Título Nacional– As Aventuras de Pi
Diretor– Ang Lee
Roteiro- David Magee/Yann Martel
Gênero- Aventura/Drama
Ano– 2012

– Que história!

Um jovem indiano que naufraga, quando viajando para o Canadá, com todo os animais do zoológico que sua família cuidava. Neste naufrágio apenas ele e mais 4 animais irão viver uma aventura fantástica, perigosa e encantadora sob a regência de Ang Lee, que acerta a mão nessa ótima, inusitada e interessante adaptação de um famoso livro para o cinema.

O jovem Pi Pattel (Gautam Belur/Ayush Tandon/Irrfan Khan/Suraj Sharma), diminutivo de Piscine, vivia em harmonia com sua família num reduto francês na Índia. Lá começam seus primeiros passos na vida e sobre sua compreensão do mundo que o circundava e tudo isso é trazido de maneira muito sutil e arquitetada pelo time de roteiristas e direção do longa. Ele logo se interessa por religião e seu aprendizado e identificação como ser pensante e integrado na natureza sempre passa por isso durante toda a sua vida. Depois de um período relativamente tranquilo até a adolescência, uma crise força seus pais a tentarem a sorte na parte francesa do Canadá.

A desgastante viagem transcorria sem grandes surpresas até que o navio se depara com uma forte tempestade e termina afundando, levando toda a família de Pi, bem como a grandíssima parte dos seus animais. Restou a ele apenas o bote, e a desagradável companhia de um Tigre, um macaco, uma zebra e uma hiena neste pequeno espaço no meio do oceano. Já por este conjunto percebe-se que não seria nada fácil para o protagonista se virar naquela situação e realmente não é. A grande maestria do filme está justamente em como tudo isso é contado, adequando de maneira acertada o ritmo para o formato do cinema.

Aliado a isso está um filme que usa efeitos pouco antes vistos em tamanha beleza e habilidade no cinema recentemente. O 3D é espetacular e dá outra perspectiva dos acontecimentos, ajudando sobremaneira o espectador integrar-se com os momentos vividos pelas personagens durante a história. Ang Lee consegue segurar com firmeza uma trama que tinha tudo para se tornar cansativa durante algum momento, mas isso não acontece. Cada passo é vibrante, importante e até desesperador e tudo isso faz com que o interesse se mantenha sempre elevado.

Surpreendente pelo nível excepcional apresentado, As Aventuras de Pi merece o burburinho causado no meio crítico. Mesmo que alguns possam questionar a história em si, os motivos para algo desse tipo seja contado, tudo que está envolvido, as interessantes mensagens contadas e a forma poética escolhida para tratar dos acontecimentos vividos é que dão todo o charme para esta ótima produção.

Poucos defeitos podem ser apontados na parte técnica, nenhum realmente relevante. Talvez uma decisão aqui e acolá sobre como os acontecimentos devessem ter sido contados com relação a obra em que se baseia e o final um tanto abrupto terminem dando um recorte um pouco drástico demais em como vinha sendo tudo conduzido, mas, o inegável é que aventuras como essa poucas palavras podem descrever sem um Pi…

Intensidade da força: 9,0

4 opiniões sobre “As Aventuras de Pi”

  1. Não vejo motivos para quem quer que seja questionar a história, é uma jornada fantástica e uma história sobre fé e como enxergar as coisas, mas do que apenas um filme maluco de um guri com um tigre e peixes voadores ou fosforecentes hehehe

    Gostei bastante também de “Pi”, só achei que o final poderia ser mais emocionante do que foi.

    1. Por isso você não colocou entre os melhores de 2012? Olha aí Márcio o vírus da chatice de contaminando. EHEH…

      Eu não achei o final ruim. Acho que entendi o porque do autor não ter apelado no final ou ter escolhido um caminho mais leve, talvez ele não quisesse dar essa conotação ao filme.

      1. É contagioso o vírus chaticulus permantius hahahaha

        Gostei bastante mesmo do filme, mas pra entrar numa lista de melhores ele tem que ser aquela parada que você diga “que foda”. E eu não senti isso com “Pi”, tem umas partes bem emocionantes e tal, mas quando termina você saí do cinema “beleza, massa” e só isso hehehe

        1. Entendi. O filme não te tocou como a tantas outras pessoas. É muito pessoal mesmo isso, porém acho que mesmo assim merecia estar numa lista pelos méritos técnicos. Ele ter uma arte soberba, uma direção muito acertada e atuações seguras.

          Abraços!

Deixe seu comentário