Valente

Título Original- Brave
Título Nacional- Valente
Diretor- Mark Andrews/Brenda Chapman
Roteiro-Brenda Chapman/Mark Andrews
Gênero- Animação/Aventura/Fantasia
Ano- 2012

– Onde está a valentia?

Passando por uma das marés mais sem inspiração desde sua fundação chegou aos cinemas nacionais a nova produção da Pixar, Valente. O filme conta a história de uma garotinha que não queria seguir a tradição reservada a ela em seu reino e fará de tudo para impedir que outros decidam o destino dela em seu lugar. A premissa, ainda que básica, se bem desenvolvida poderia apresentar uma produção interessante, por se tratar da Pixar houve certa expectativa quanto a esta possibilidade, mas ela é frustrada com cerca de 30 minutos de película.

A pequena Merida sempre foi bastante ativa, destemida e avessa as regras de comportamento que uma dama deveria seguir. Seu pai, Fergus, achava tudo super divertido e até incentiva o comportamento da filha rebelde, mas sua mãe, Elinor, tentava fazer com que a filha entendesse a importância das regras mesmo que isso significasse um auto-sacrifício. Quanto completa a idade necessária é marcada uma disputa entre os clãs mais importantes do reino para definir quem ficaria com a mão da princesa, aproveitando uma brecha nas regras a própria Merida compete para tentar garantir as rédeas do seu próprio destino.

Isso causa um tumulto enorme entre os clãs e a ameaça da guerra pairava no reino. Durante este momento Merida se depara com uma bruxa que a entrega um feitiço que promete mudar a sua vida, porém a magia não dá certo e a situação se torna um drama para mãe e filha e as duas terão que buscar uma saída para o difícil problema. Contando dessa maneira parece até que Valente é interessante, mas infelizmente não é isso que acontece. A execução é muito pobre, bem longe do padrão de qualidade que a própria Pixar se impôs.

Os personagens não são interessantes, a trama é altamente superficial, pouco atraente tanto como comédia ou aventura. O filme não convence em nenhum sentido. A protagonista se perde completamente num misto de rixa familiar a qual tentam dar uma importância que nunca convence, diferentemente da tensão trazida em alguns momentos em Wall-E, Up e até Toy Story. O título não traz qualquer aproximação com o que é apresentado, dando uma sensação de vagueza incomum às produções do estúdio.

O balanço geral fica muito comprometido, embora a qualidade da animação seja excepcional (especialmente das paisagens) o resto é completamente descartável. A trama poderia ter seguido um rumo muito mais interessante, mas preferiu seguir um caminho medíocre que vai de encontro a tudo que a Pixar construiu nos últimos anos. O longa fica pouco acima de Carros 2, pois pior que ele fica difícil ser, mas a situação começa a preocupar, pois um dos grandes símbolos de qualidade em se tratando de cinema parece não saber mais encontrar os rumos que o consagraram.

Intensidade da força: 5,5

4 opiniões sobre “Valente”

  1. Acho que você exigiu que o filme fosse um clássico épico de todos os tempos, é o que sinto ao ler sua crítica.

    Valente é interessante, acho que convence também a história (ainda mais se você pensar no laço de mãe e filha que é construído num esquema de romance mesmo entre as duas), sem contar ai a qualidade visual, os alívios cômicos bem encaixados e sem exageros, o mais importante, e ainda tem características bem presentes das animações orientais de Miyazaki no meio disso tudo.

    Divertido, bacanudo e entregou o que me prometeu. Não é genial como “Os Inbcríveis”, “Wall-E” e etc, mas ainda assim é ótimo filme.

    1. Fala Marcio!

      Pois é. Eu ainda creio que a exigência cobrada para Valente está dentro da média acho que há sim uma complacência com o nível baixo dele, pois neste caso noto que o longa não entrega o que promete.

      Para mim ele promete uma personagem feminina, desafiadora, destemida e o começo dá a entender isso, mas aquele rumo tomado é completamente sem noção e demonstra perdição a meu ver.

    1. O filme nem dá para ser chamado de princesa. Se fosse poderia ter sido bom. Ele é fraco justamente por isso. É um meio termo e não convence em nada.

Deixe seu comentário