Operação Presente

Título Original- Arthur Christmas
Título Nacional- Operação Presente
Diretor- Sarah Smith
Roteiro- Peter Baynham/Sarah Smith
Gênero- Animação/Comédia
Ano- 2011

– O que é o Natal?

Em tempos de consumismo exagerado e completa falta de responsabilidade financeira, até mesmo dos políticos que comandam as nações, Operação Presente vem para, além de reviver o espírito de Natal, tocar na massificação da data, na perda do seu real significado, mas sem aquela pieguice exacerbada de outras produções do gênero.

Aqui se buscou uma adequação muito bem feita com os tempos atuais da informatização de tudo, a “modernice”, a pressa e tudo que faz com que as pessoas percam a atenção no que verdadeiramente importa. É neste contexto que a família Noel tenta se encaixar e se adaptar, passando pela perspectiva de 3 gerações.

O jovem Arthur é o filho mais novo do Papai Noel e faz o típico sonhador, idealista, que ainda preserva em si os verdadeiros símbolos que fazem do Natal a data comemorativa mais importante do mundo Ocidental. Todavia, ele é muito atrapalhado e fica renegado ao setor de cartas que nem assim retira todo seu ânimo com a festa.

Enquanto isso, seu irmão mais velho, Steve, e seu pai estão dando o máximo para completar com sucesso mais uma missão de Natal e conseguir entregar os presentes a todas as crianças do mundo. A estrutura para tanto é enorme e super avançada tendo em vista o crescimento descontrolado da população e o número de países ao redor do planeta.

Em meio a todo este aparato de guerra o comando de Steve é preciso e preza pela infalibilidade, enquanto Noel apenas segue o fluxo e acompanha de perto tudo aquilo, mas sem se importar o quanto deveria. Depois de mais uma noite de Natal bem sucedida todos vão descansar, mas mal sabem eles que um presente não foi entregue e isto causará uma série de contratempos e permitirá muitas reflexões de todos naquele núcleo familiar.

Quando descobre que um dos presentes não alcançou seu destino, Arthur se desespera e começa a questionar aos demais sobre o verdadeiro significado de tudo aquilo, mas seu apelo não surte efeito. Tanto seu pai como Steve não se importam com o que o Natal representa, mas tão somente com a repercussão de completar mais uma noite com sucesso.

Arthur não se conforma com tudo aquilo e seu avô irá ajudá-lo a cumprir a missão de Natal, numa última operação, e juntos irão se meter em inúmeras confusões que darão o tom de comédia típico destas produções, mas nunca se afastando completamente do real alvo, relembrar a todos a verdadeira importância do Natal (celebrar a esperança, felicidade e a fé).

O longa reserva muitos momentos de reflexão e nisso se encontra seu ponto forte, a animação em si é bastante simplista e a personagem principal (Arthur) é um tanto exagerada em seus momentos de riso o aproximando daquele típico boboca quase demente que irrita em muitos momentos.

Ainda assim, o longa agrada bastante e é uma pedida e tanto nesta época do ano. Com certeza merece a atenção de quem gosta do gênero ou mesmo daqueles que desejam fazer um programa em família sem que se torne um sofrimento para nenhuma das partes. Afinal o Natal está aí!

Intensidade da força: 7,0 

Deixe seu comentário