Gato de Botas

Título Original- Puss in Boots
Título Nacional- Gato de Botas
Diretor- Chris Miller
Roteiro- Charles Perrault/Brian Lynch
Gênero- Animação/Comédia
Ano- 2011

– Coadjuvante como protagonista…

Foi a vez de uma personagem nascida noutra produção ganhar destaque suficiente para ter sua própria história transportada para a telona. Gato de Botas aterrissou nos cinemas nacionais como representante final do gênero animação deste ano, particularmente farto, porém fraco em suas opções.

Aqui o gatinho que foi introduzido em Shrek 2 e foi totalmente destruído em Shrek 4 (o filme como um todo) está no comando das ações e não fez feio em sua aparição solo, mas não é provável que mais continuações estendam a história, até porque, para esta obra já foram utilizadas inúmeras referências e seguimentos de contos de fadas famosos na tentativa de dar alguma consistência ao longa.

O Gato de Botas é uma figura lendária conhecida por diversos nomes a depender do lugar, mas um traço em comum é possível detectar em todas as suas versões. Ele é um fora da lei e sua chegada em mais uma cidade do interior do México causa rebuliço nos habitantes. Apenas de passagem, ele vai terminar se deparando com a possibilidade de ter em seu poder os feijões mágicos (sim, do “João e o pé-feijão”) e pensa assim ter sua chance de limpar seu nome. Quando está a tentar se apoderar dos feijões ele é surpreendido por um inimigo felino mascarado e igualmente habilidoso que se revelará uma gata (Kitty) sob as ordens de um amigo agora desafeto de infância, Humpty Dumpty.

A verdade é que Humpty tinha preparado aquele encontro como uma chance de tentar se desculpar com o Gato pelos acontecimentos do passado que haviam deixado uma ferida na amizade dos dois. Depois de muita insistência o Gato irá aceitar a oferta de Humpty Dumpty e eles tentarão reaver os feijões e realizar seus sonhos de infância/adolescência.

Nesta aventura acontecerão muitos eventos e reviravoltas que não surpreende quem assiste, mas dá o tom da história. A animação é muito boa, a mistura de contextos e trechos de clássicos da literatura infantil é muito bem feita e adaptada para o que se pretende encaixar, dando a Gato de Botas uma apresentação única, mas sem perder o bom tom. Diferentemente de outras produções da Dreamworks, o longa gira mais em torno da aventura com toques de ação e comédia, do que pura e simplesmente em momentos infantilizados e idiotizados.

O resultado final é bastante positivo e mereceu o esforço. A possibilidade de uma continuação não é totalmente descartada e o filme deixa tal possibilidade em aberto, muito embora não o faça descaradamente, ou seja, há um desfecho satisfatório. O bom de Gato de Botas é que não há muitas sobras ou excessos a serem reparados ou corrigidos, entretanto a obra não mostra força necessária para se sustentar por si. Se uma sequência porventura se apresentar, fica difícil que não seja já em caminho para se deparar com a turma do Shrek.

Por fim, essa é mais uma boa opção para este fim de ano, pouco profuso em títulos de qualidade expressiva, mas que satisfaz como entretenimento rápido e descompromissado. Ao que tudo indica, o domínio nas premiações da categoria ficará a cargo de Kung Fu Panda 2. Depois de anos acostumado com os clássicos da Pixar fica uma sensação de vazio, de falta no balanço final.

Intensidade da Força: 7,5

4 opiniões sobre “Gato de Botas”

  1. Gostei bastante do Gato de Botas, até me surpreendi pois achei que seria apenas mais uma animação boboca, mas o roteiro é bem amarradinho e o humor já começa só de ouvir o gato falando.

    É um personagem muito carismático.

    PS: Ele apareceu a primeira vez em Shrek 2.
    PS2: Depois de Shrek 3 não tive nem forças para assistir o quarto, acho que fiz bem né?

    1. Valeu pelo toque Marcio. Shrek 2. O filme é divertidinho, satisfaz sem exageros e valeu a pena.

      Você fez muito bem em não assistir Shrek 4, depois do fraco 3 eles conseguiram superar a ruindade em milhares de vezes com o 4.

      Obrigado pela mensagem e boas festas de fim de ano!

      1. Muito bomo filme!esperando o 2 e ótima analise. Eu concordo com vcs Sherek 3 e meia boca e o 4° é horrivel ,pelo menos no 3 apareceram os filhos do sherek ja no 4° nada pra acrescentar na historia.

        1. Olá Maurício! Muito bem-vindo e apareça mais vezes para deixar suas impressões! É sempre muito bom termos novos colegas que comentem!

          Obrigado e até a próxima!

Deixe seu comentário