Premonição 5

Título Original– Final Destination 5
Título Nacional– Premonição 5
Diretor- Steven Quale
Roteiro– Eric Heisserer/Jeffrey Reddick
Gênero– Terror
Ano– 2011

– O destino final chegou…

O provável último capítulo da saga de filmes de terror Premonição chegou aos cinemas nacionais. A trama agora toma um rumo um pouco diferente no desenrolar dos eventos, mas não deixa de seguir a base da fórmula de outras edições. O desfile de mortes pré-anunciadas que tentam surpreender na forma como ocorrem ainda consiste no ponto de sustentação principal do longa, contudo não consegue trazer muito impacto nos acontecimentos.

A história começa com um grupo de jovens se organizando para seguir para um retiro de trabalho e, ainda que pareça estar discorrendo de forma um pouco diferente do usual de todos os demais, no final o começo se revela o mesmo. A cena já demonstra o ritmo feroz que as mortes acontecem, sempre apelando para situações desconcertantes a fim de prender a atenção do espectador.

A ideia pode funcionar para os mais impressionados, mas falha miseravelmente nas pessoas que já tem uma certa “casca” de prevenção advinda de outros filmes de terror.

Após acordar e perceber que tudo não passara de um bizarro pesadelo, Sam (Nicholas D’Agosto) nota que determinados eventos começam a se repetir conforme ocorreram no sonho e resolve dar atenção aos sinais. Ele foge do ônibus juntamente com mais meia dúzia de colegas que depois percebem que um desastre se inicia na sequência. O sonho de Sam era na verdade uma PREMONIÇÃO!

Pode soar bobo a esta altura do campeonato, depois de 4 outras histórias já contadas da mesma maneira, porém, lá nos idos dos anos 2000 Premonição foi um grande hit e por isso conheceu tanta longevidade.

Aliviados por parecerem ter sidos salvos da morte certa, os jovens buscam seguir suas vidas, mas logo entendem que algo está errado, um a um todos começam a morrer de forma bizarra o que desperta a atenção não só deles como do típico policial desconfiado, mas devagar demais para enxergar um palmo adiante do nariz, Agente Jim Block (Courtney B. Vance).

É aí que as dicas macabras do legista soturno, William Bludworth (Tony Todd) entram em ação, para infernizar ainda mais a já confusa cabeça dos que ainda sobreviviam. Eles passam a pensar que teriam que matar alguém para assim conseguir se manterem vivos. A ideia seria legal se fosse bem desenvolvida, mas não foi. É jogada de maneira rápida e desmantelada sem nenhuma cerimônia, consistindo numa bela bola fora da equipe técnica.

Esta sucessão de equívocos e falhas acometem todo o desenrolar do longa e comprometem quase por completo a experiência, transformando-se num programa que agrega muito pouco a não ser ver as personagens morrendo bisonhamente e cheios de 3D sem muito espanto.

Enfim, nada convence muito em Premonição 5, a não ser o final, dando a impressão que gastaram toda a capacidade criativa nisso. Uma pena, pois até que tinha potencial de se igualar ao primeiro e ao segundo, mas apenas fica na esfera do fraco, superando, entretanto os intragáveis 3 e 4.

Intensidade da força: 4,5

2 opiniões sobre “Premonição 5”

  1. Eu sei que o filme é o melhor da saga e o final é extremamente confuso, pois, como será que Tonny Todd já teria visto acontecer a mesma história(é o que ele afirma ao dizer: Já vi isso acontecer, alguns sortudos escapavam de catastrofes e depois a morte chegava para todos, um a um) acontecer, se o filme 5 conta a história antes da queda do avião 180( filme 1)?????!!!!!

    1. Este tipo de incongruência levantada por você é típica e natural de acontecer nestes casos, justamente porque isso não foi algo pensado desde o primeiro longa, mas sim uma decisão tomada no meio do caminho e daí termina deixando várias pontas soltas pelo meio do caminho.

Deixe seu comentário