Super 8

Título Original- Super 8
Título Nacional- Super 8
Diretor- J.J. Abrams
Roteiro- J.J. Abrams
Gênero- Suspense/Ficção/Comédia
Ano- 2011

– Super confusão…

A maior enrascada envolve o grupo de amigos composto por Joe Lamb, Alice Dainard, Charles, Cary, Martin e Preston (respectivamente: Joel Courtney, Elle Fanning, Riley Griffiths, Ryan Lee, Gabriel Basso e Zach Mills) quando uma mera gravação de um curta para um festival de cinema regional realizado por eles se mistura com uma conspiração envolvendo as forças armadas e um cientista renegado que resolve por um fim aos planos inescrupulosos de um de seus chefes.

Tudo corria bem na locação escolhida por eles para fazer uma das cenas mais importantes de sua produção, no momento que um trem colide contra um carro que avança sobre os trilhos, causando o descarrilamento da locomotiva. Uma cena muito bem feita acontece a partir daquele instante, mostrando com boa riqueza de tratamento o impressionante acidente.

É a partir daí que a situação se complica, pois o grupo de jovens (entre 12 e 14 anos) se vê completamente aturdido com um evento de proporção tão grandiosa que até impressiona o grau de frieza e tranquilidade com que muitos deles conseguem lidar com a questão. Contudo, mesmo tentando evitar, a situação se agrava quando um estranho ser foge de um dos vagões e começa a causar uma série de eventos estranhos na cidade.

As pessoas começam a perguntar, os problemas aumentam e então a clássica postura do exército americano neste tipo de filme se apresenta (evacuações mirabolantes a todo custo para acobertar uma possível polêmica em torno de um assunto “secreto”). Até aí o longa parece ser bem bobo e previsível e até o é. O que difere tudo é a forma como a história é contada. Aí está a maestria da obra.

A opção por dar o protagonismo da trama ao grupo de adolescentes é muito acertada por parte de J.J Abrams e apaga muito de possíveis críticas ao pano de fundo dos eventos. Tudo isso é muito auxiliado pela habilidade destacada dos pequenos atores. O garoto Joel Courtney e a exótica, mas já bonita Elle Fanning roubam a cena, mais destaque para ela.

A cena em que eles estão praticando um diálogo serve pura e simplesmente para demonstrar a veia interpretativa da irmã mais nova de outra monstrinha da nova geração, Dakota Fanning. Claro que tudo isso é muito auxiliado pelos outros jovens do time que dão o alívio cômico para a produção, simplesmente na medida certa. Este é outro aspecto bem acertado em Super 8, não há muitas sobras, o filme não tenta ser mais do que se propõe.

O que termina depreciando um pouco o longa é a insistência de Spielberg (produtor e também colaborador no roteiro) em colocar certos elementos de outros filmes seus também em Super 8, isto se agrava mais quando, na cena final, há um momento tosquíssimo que relembra um clássico do cinema dirigido por Steven, mas que poderia muito bem ter sido omitido. Ao mesmo tempo em que a obra acerta muito na escolha do elenco, comete outros pecados gravíssimos no roteiro que termina por desprestigiar a própria ideia.

Uma pena, pois Super 8 tinha potencial para encabeçar como o melhor filme do ano, mas termina ficando na linha do muito bom. Pode até parecer que é muito severo, mas quando vocês assistirem (recomendo) entenderão perfeitamente que potencial havia.

Intensidade da força: 8,5

5 opiniões sobre “Super 8”

  1. Assisti o filme na semana passada e gostei d+ tb. As crianças mandaram muito bem e o elenco adulto tb não comprometeu.
    Achei que souberam dosar os elementos de drama/suspense/humor de maneira bem satisfatória. Um dos filmes mais legais do ano até agora.

    Quanto ao ET, vcs não gostaram da presença dele no filme ou a forma como foi utilizado ter sido meio previsivel no final???

    1. Eu achei as duas coisas ruins, mas o fato que mais irrita é mesmo a tentativa mal acabada de redimir o ET com aquele momento com o garoto. Muito piegas, cafona, coisa que foi de encontro total ao ritmo do longa.

      Abraços e valeu pelas mensagens!

  2. Rapaz,

    A Elle simplesmente foi fantástica. Na hora que ela fez a cena do trem, que todo mundo ficou bobo com a atuação, eu também fiquei, heheheheh. Show de bola. E gostei dos atores mirins também.

    Quanto ao filme, eu achei legal, mas não tanto, não sei se é por causa do ET. Spielberg é um saco, todo filme é isso, é ET para lá, ET para cá. isso estraga, eu não esqueço a m**** que ficou o filme Os Esquecidos (2004), arf, e aquela última cena de super 8 foi muito TOSCA.

    Enfim, eu vi numa entrevista de Elle que eles realmente filmaram o filme de zumbi (direção da criançada), seria legal poder ver hehehe

    Um abraço, Bill, e mais uma vez, uma excelente resenha.

    1. Concordo total com o que você disse Reiner sobre o ET, apenas eu não vejo que o filme deve ser muito desmerecido por conta disso porque o outro lado é muito bom e consegue sobrepor um pouco este grave defeito.

      É aquela coisa totalmente previsível que se podia imaginar de uma parceria entre o J.J e o Spielberg? Então. Foi isso. Chato mesmo.

      Eu só espero mesmo que Tintin não me venha com uma dessas até porque o Peter Jackson é mais cabeça no lugar que o J.J., mesmo com a direção do Steven eu não acho que PJ ia aceitar por o nome dele no filme se fosse para cometer um vacilo desses.

      Valeu mais uma vez pela participação meu caro! Faltou você na formatura! EHEH.

      1. heheh, eu achei no geral muito bom o filme, o ET não atrapalhou, até pq eu já esperava 😀

        Já no tintin, eu iria dizer que é impossível, simplesmente não encaixe no contexto, mas conhecendo Spielberg, hehehehe. Torcço pelo PJ, se ele fizer isso, eu faço um protesto na porta da casa dele o/.

        Pelas histórias que ouvi, lamentei mesmo não ter ido a formatura hehehe

Deixe seu comentário