RED – Aposentados e Perigosos

Título Original- RED
Título Nacional- RED – Aposentados e Perigosos
Diretor- Robert Schwentke
Roteiro- Jon Hoeber/Erich Hoeber
Gênero- Ação/Comédia
Ano- 2010

– Quem disse que a idade atrapalha?

Os atores fazerem um bom filme de ação? Claro que Bruce Willis (Frank Moses) lidera a trupe dos aposentados mais loucos e perigosos a pintar na telona nos tempos recentes, mas num grupo de 4 integrantes é claro que se houvesse um elo fraco isso comprometeria o trabalho dos demais, contudo não é o que acontece com  RED. O filme é a grata surpresa do ano para mim. Fui vê-lo com uma expectativa morna e me surpreendi ao sair da sala. Uma produção extremamente sólida, com um ritmo excelente que ensina a muitas outras produções como se deve fazer um filme de ação que mistura, comédia (muita!), uma pitada de romance e claro AÇÃO!

O longa conta com Morgan Freeman (Joe Matheson), excepcional John Malkovich (Marvin Boggs) e a surpreendente Helen Mirren (Victoria) e, por fim, Mary-Louise Parker (Sarah Ross) que tinha tudo para ser a mala-sem-alça do filme, mas termina sendo um dos pontos mais bacanas da história. Ficou tudo muito bem afinado e ajustado e é esta miscelânea que traz RED a frente de muitas outras produções lançadas com mais “pompa” que ele.

É verdade. São muitos elogios e nem tudo se deve somente ao bom time técnico responsável pela construção desta obra, mas também a fonte na qual se inspirou. Um quadrinho em forma de mini-série de 3 edições lançadas em 2003 e 2004 e que hoje carregam o selo da DC Comics. É impressionante como tudo na vida tem seu lado bom e ruim. Se por um lado reclamam da falta de criatividade de Hollywood e seus blockbusters desprovidos de conteúdo há de se considerar, em contrapartida, na busca de novas fontes criativas a tentativa dos produtores em se lançar no mundo dos quadrinhos, games e quem sabe nos animes e desenhos. O momento atual é dos quadrinhos, assim como nos livros é incrível se pensar como as pessoas que confeccionam tais histórias conseguem inspiração para fazerem trabalhos tão bons. RED é mais um exemplo disso.

A história de um ex-agente da CIA que começa a ser perseguido sabe-se lá porquê e por isso tem que, além de salvar sua vida, descobrir o que motivou tal perseguição. Some-se a isso que ele estava tentando conquistar a atendente Sarah Ross e termina envolvendo-a na perseguição e este componente inesperado é motivo, não só de confusões, mas também de soluções para algumas situações. Na busca da solução deste mistério ele recorre aos seus amigos de campo da época que atuava, Marvin, Victoria e Joe e até mesmo um agente russo o também ótimo Ivan Simanov (Brian Cox). Como já era de se esperar o buraco era bem mais embaixo do que ele imaginava e envolve figurões da política e também do serviço secreto.

O filme mantém a linha rápida dos eventos com cortes precisos entre os interlúdios, ensinando muita gente por aí como se faz uma boa edição e continuidade. O roteiro é bem consistente e conduzido com segurança, sem se perder na trama que poderia sim ser motivo de confusão nas mãos de alguém mais inapto. A direção domina a situação, mas também com um elenco desses é difícil não ser assim. Em suma o que temos aqui é um baita filme, extremamente cativante, divertido e dinâmico que poderá passar despercebido para alguns, mas para quem lê o Power Cinema pode ser que não. Estejam avisados! Perder a chance de assistir a RED é jogar fora uma das melhores pedidas do ano no gênero!

Intensidade da Força: 9,0

Deixe seu comentário