Toy Story 3

Título Original- Toy Story 3
Título Nacional- Toy Story 3
Diretor- Lee Unkrich
Roteiro- Michael Arndt/John Lasseter
Gênero- Animação/Comédia
Ano- 2010

– Um clássico conhece seu final…

A Pixar resolveu encerrar depois de 11 anos do segundo episódio aquela que é considerada por muitos o marco da animação como conhecemos hoje e o melhor filme de animação já feito, Toy Story. A turma de brinquedos mais famosa de todos os tempos na telona está de volta naquele que pode ser o último filme da franquia. Como era de se esperar, a Pixar conseguiu mais uma vez a proeza de fazer um filme divertido, mas sem perder o carisma ou sem deixar afundar na armadilha da “abobalhação”. Além disso, manteve aquele toque mais recente dos filmes do estúdio de sempre agregar algum valor emocional e um tom meio dramático a história. Apesar de que nesse episódio tais eventos são muito mais leves, visto que eles não queriam perder o foco de seu público mais apaixonado, sejam aqueles que acompanharam o nascimento da cinesérie, seja os que foram assistir pela primeira vez.

Agora Andy (o dono dos brinquedos) está indo para a faculdade o que significa que ele irá ter que deixar sua vida de criança praticamente de lado e a turminha de brinquedos não irá mais acompanhá-lo, quando tiver que partir para sua nova vida. A mãe de Andy também exige que ele separe as coisas que não vai mais querer, o que adiciona certo pânico a pequena trupe de plástico. Será que eles iriam para o sótão ou para o lixo? O sótão parecia ser um lugar menos cruel na opinião dos brinquedos que viviam momentos de tensão até a decisão do seu dono.

Como já se era de esperar as coisas terminam não seguindo o caminho mais tranqüilo e apesar de Andy ter escolhido deixá-los no sótão e levar Woody com ele para a faculdade ocorrem certos contratempos e eles terminam indo parar no lixo por engano e na última hora, devido a outra confusão, vão parar na creche Sunnyside. Os brinquedos não sabem da confusão e acham que seu dono teria abandonado-os e por isso ficam alegres por parar em Sunnyside que era um lar cheio de crianças que poderiam brincar com eles por toda a vida, apenas Woody sabia da verdade, mas não consegue fazer com que acreditem nele. Mais ilusão para a gangue ao chegarem ao “paraíso”. Eles são recebidos pelo Urso rosa Lotso e ficam ainda mais extasiados com toda aquela virada em seus destinos aparentemente para melhor. Mal sabiam o que lhes aguardava…

As aventuras de todos começam a partir daí. Na creche eles são deixados com as crianças menores que não sabem cuidar das coisas ainda e os tratam de qualquer jeito, mas toda aquela situação era culpa de Lotso e a partir daí eles terão que se virar para conseguirem uma forma de se livrar daquele “inferno” que tudo havia se tornado. Muitas confusões, aventuras e situações engraçadas vão cercar o grupo de brinquedos, tudo recheado com a qualidade irrepreensível da Pixar, mas Toy Story é um filme com um propósito. É um filme que busca encerrar um ciclo e o faz de forma magistral para o que sempre se pensou a respeito de Toy Story. Contudo, é um longa que vai um pouco na maré contrária das produções mais recentes do estúdio como (Ratatouille, Wall-E e Up). É uma animação bem infantil mesmo, bem bobinha, sem grandes sacadas ou inovações, mas ainda conta com todo encanto que só a Pixar consegue transmitir.

Se você é da geração que nasceu assistindo ao filme, ou se apenas é fã da Pixar (como eu) não pode deixar de conferir esse lançamento. Com certeza é uma excelente produção que preza pelo alto nível que notabiliza esse estúdio, mas não traz nada de novo, tampouco tem os momentos criativos impensáveis e incríveis de outras produções recentes. O filme se aproxima mais de Incríveis, mas também perde para esse longa, visto que, nesse último, as piadas são mais originais e mais divertidas. O humor de Toy Story é bom, mas não é genial como nos mal acostumamos assistindo os filmes da Pixar, mas ainda assim é um prato cheio para quem gosta do gênero e deverá ser o melhor do ano mais uma vez. Mesmo que Como treinar seu dragão esteja aí para fazer páreo, a nostalgia impera na decisão e provavelmente Toy Story não encontrará rival a altura esse ano.

Intensidade da força: 8,5

Deixe seu comentário