Fim da Escuridão

Título Original– Edge of Darkness
Título Nacional- Fim da Escuridão
Diretor- Martin Campbell
Roteiro- William Monahan/Andrew Bovell
Gênero- Policial/Ação/Drama
Ano- 2010


– Nas trevas, mas de volta…

Mel Gibson voltou! Bom, pelo menos por enquanto. Os planos do ator/diretor/dono de estúdio não devem ter mudado tanto, mas parece que ele irá voltar a fazer alguns filmes atuando vez por outra. É o que acontece em Fim da Escuridão filme policial “machão” estrelado por Mel. Nesse filme ele interpreta o policial Thomas Craven que tem sua filha assassinada de forma repentina logo após um reencontro de alguns anos. Daí por diante já dá para imaginar como será o desenrolar do filme, mas não se assustem pela temática batida. O filme conta com bons momentos e é bem cadenciado não ficando bobo ou cansativo por conta da história já muito contada.

Thomas é um policial comum, respeitado no seu departamento e que vive sozinho no momento, mas que não cansa de se lembrar dos momentos felizes que passou com sua filha na época da sua infância. O filme começa daí justamente para criar aquele elo com o espectador e fazê-lo ingressar na história junto com o personagem. Depois de alguns anos de separação, aparentemente por conta de trabalhos e estudos, Emma Craven (Bojana Novakovic) volta para visitar seu pai, mas alguma coisa não está certa com ela. Antes de poder contar qualquer coisa ao pai, Emma é assassinada de forma muito rápida, enquanto os culpados fogem rapidamente. Atordoado, Thomas não consegue juntar nada inicialmente, mas segue a investigação do crime.

Ele é conduzido então ao endereço do namorado de Emma, Burnham (Shawn Roberts) e é recebido de forma muito suspeita. É a partir desse momento que o pai de Emma começa a ficar mais intrigado e suspeitar que seu assassinato não fora um acaso, um erro de alvo, como ele imaginara, mas, na verdade quiseram matar sua filha mesmo. Assim começa toda uma perseguição que vai incomodar pessoas importantes que nunca se podia pensar. Craven é visitado por Jedburgh (Ray Winstone) que é o responsável pelas ações de “limpeza” para o governo nesse tipo de caso, porém algo estava incomodando o próprio Jedburgh e então ele resolve ficar vendo as coisas se desenrolarem.

Com liberdade para agir Thomas começa a desvendar mais e mais do mistério sobre a morte da filha e é levado a uma trama que envolve o governo dos EUA e uma empresa de pesquisa nuclear muito importante e que detinha vínculos próximos com o governo. O filme conta com várias alfinetadas ao governo, como falcatruas políticas, armações de órgãos de segurança nacional, interesses privados armamentistas e toda a espécie de coisa suja que circula nesse meio. Há uma ótima crítica de como eles manipulam o povo da maneira que querem quase todo o tempo o que mostra também todo um inconformismo que paira na sociedade americana acerca desse tipo de comportamento. Fico imaginando como um filme desses seria recepcionado por aqui, visto que Tropa de Elite teve toda uma onda de rejeição por parte de certos setores e até mesmo da opinião especializada em cinema sobre um possível “exagero” em sua condução.

Por esses e outros aspectos o filme Fim da Escuridão tem seus méritos e consegue prender ainda que retrate uma história banal o que só reforça a ideia de que com um bom roteiro é possível sim ainda se criar boas tramas, basta uma dose de coragem, um bom elenco, em suma uma equipe que acredite naquilo que está produzindo. Todavia, assim como o longa tem seus bons momentos, as partes ruins também estão lá e são bem chatinhas, diga-se de passagem. Thomas faz o típico “vingador”, mas que já não cai tão bem com a figura de Mel Gibson. Sem falar das coisas absurdas como a impressionante leniência para com suas ações durante toda sua investigação, mostrando um despreparo que se sabe não ter qualquer compatibilidade com a realidade. Graças a Deus a equipe conseguiu ter coragem de dar um final digno ao filme, se não a coisa seria muito ruim.

Então é isso. Se você gosta de filmes do estilo “policial honesto e pacato tem sua vida virada ao avesso por morte familiar injusta e inexplicável” irá encontrar muita diversão em Fim da Escuridão. Apesar do papel não ser mais ideal para Mel Gibson isso não tira tanto o brilho, pois ainda dá para ver que ele continua sabendo interpretar e faz certas cenas terem graça unicamente por sua presença forte e capaz. Engraçado como o gênero anda fraco ultimamente justamente por causa disso e tenha que se apelar para um ator já mais velho para conseguir um balanço minimamente aceitável entre as cenas de ação e as que precisam de mais interpretação. Será que essa “crise” do gênero irá perdurar por muito mais tempo? Só vivendo para saber…

Intensidade da força: 7,0

Deixe seu comentário