Se beber, não case

Título Original- The Hangover.
Título Nacional- Se beber, não case.
Diretor- Todd Phillips.
Roteiro- Jon Lucas/Scott Moore.
Gênero- Comédia.
Ano- 2009.

– Se quer rir, assista…

O filme em questão é um prato cheio para quem quer ir ao cinema dar umas boas risadas. O trailer pode dar a falsa impressão de que se trata de mais uma comédia americana idiota que só serve para ganhar uns trocados, mas tal impressão é completamente equivocada. O filme tem como pano de fundo as famosas despedidas de solteiro em Las Vegas, mas a forma como tudo é escrito é muito bem feita e criativa, com situações hilariantes ao extremo que será difícil não te fazer rir.

O jovem Doug Billings (Justin Bartha) vai se casar e seus amigos não podem deixar tal oportunidade passar em branco sem proporcionar ao seu querido amigo uma despedida de solteiro à altura. Onde mais seria isso nos Estados Unidos, se não em Vegas? Antes, porém, eles vão juntar toda a trupe que será composta por mais 3 indivíduos. Cada um com seu traço de personalidade característico e até certo ponto comum nesse tipo de filme. Phil Wenneck(Bradley Cooper) é o bonitão metido a garanhão entre os amigos, mas que é casado e quer aproveitar a oportunidade para sair da mesmice. Stu Price (Ed Helms) é o certinho que está noivo e doido para casar com sua companheira megera, mas que ele faz questão de exaltar as qualidades. Por fim, temos o maluco que parece ser o lerdo do grupo, mas que será a peça chave de todas as confusões pelas quais irão passar, Alan Garner (Zach Galifianakis). Grupo unido eles partem para suas aventuras (desventuras?) em Vegas.
Ao chegarem a Vegas, Phil já procura “estarrar” fazendo com que se hospedem numa mega suíte no Caesar’s Palace. O pobre Stu é o único que viaja com cartão de crédito no grupo e meio que “afiança” as loucuras dos demais. Devidamente acomodados eles resolvem fazer um brinde à noite inesquecível que está por vir e Alan resolve tomar a frente oferecendo os drinks aos amigos. Depois de mais algumas loucuras proporcionadas por Alan durante este drink eles resolvem partir para curtir a noite com a qual tanto sonharam. Buumm! A noite passa e eles estão agora acordando na suíte do hotel. O primeiro a acordar é Stu e ele já percebe que há algo muito estranho, o quarto está uma loucura com galinha passeando e tudo revirado. Os outros vão acordando em seguida até perceberem que até um tigre está no quarto. Depois de se darem conta que a noite deve ter sido muito louca eles notam que um dos seus está ausente. Doug não estava com eles! Daí começa a busca de seus amigos pela ovelha desgarrada! Não antes de pegarem o bebê que estava no quarto, também.
O filme se passa basicamente nesse momento.
Os 3 amigos estão à busca de Doug e durante esse processo vão descobrindo pedaços das loucuras que aprontaram durante a fatídica noite. Descobrem que Stu havia se casado com uma stripper. Que o tigre tinha sido roubado da casa do Mike Tyson e que até um carro de policiais eles tinham surrupiado durante a noite de Baco. Tudo isso é regado com altas doses de loucuras de todo tipo com direito a policial usá-los como cobaias durante visita de crianças (uma das cenas mais hilárias de todo o longa). Além da busca por Doug eles também tem que tentar remediar o estrago que fizeram na noite anterior e isso não será nada fácil, pois eles deixaram muitas pessoas irritadas, inclusive o chinesinho muito louco e afetado.
O longa não conta com um momento de refresco. São loucuras em sequência numa zona que o telespectador não sabe até onde vai parar. É nisso que está a magia do filme. Em vivenciarmos junto com os protagonistas o drama deles além de buscarem seu amigo tentarem consertar os rombos que fizeram durante a noite. Isso tudo conta com um roteiro muito bem feito com diálogos e cenas memoráveis que vão te fazer chorar de rir (se você acompanha esse tipo de humor), por falar em humor, não se trata de uma comédia imbecilóide como pode aparentar à primeira vista. É um filme para fazer rir por suas piadas e situações constrangedoras sem apelar para o exagero. O próprio Alan, que seria o personagem idiota da trama, é construído de forma muito interessante resultando num personagem que não ultrapassa o limite da nossa tolerância e é o responsável, normalmente, pelas cenas mais hilárias. Muito bom.
Os 3 atores que encabeçam as encrencas estão muito bem em seus papéis sem exageros e não se deixam cair na
armadilha do rídiculo. Eles levaram seus personagens à sério. Apesar de parecer um filme despretensioso, “The Hangover” é feito com dedicação por todos e isso resulta numa comédia de primeira linha coisa rara vinda do cinema americano e muito bom para quem assiste que, assim como nos filmes de terror, está carente de bons títulos nesse gênero. Por isso, se você anda meio enfadado e chateado com a repetição que impera nesse tipo de filme aproveite a chance de assistir uma das melhores comédias dos últimos anos. Até mais.
Intensidade da força: 9,0

Deixe seu comentário