Watchmen

Título Original- Watchmen
Título Nacional- Watchmen
Diretor- Zack Snyder
Roteiro- David Hayter/Alex Tse
Gênero- Ação/Drama/Fantasia
Ano- 2009
 
– Fiquem de olho…

Saiu Watchmen! Para muitos, um dos filmes mais aguardados de todos os tempos, ainda mais depois que Zack Snyder (Sin City e 300) foi confirmado como diretor desse longa. Para quem não sabe “Watchmen” representa um dos maiores (se não o maior) marco dos quadrinhos de todos os tempos. Uma obra sem paralelos, tanto pelas temáticas que trabalha (sempre serão atuais) como pelo nível da trama (muito acima do tradicional dos quadrinhos convencionais). Em linhas gerais, o quadrinho trata de um grupo de vigilantes, cientes pelo governo, que é responsável por agir em situações extremas em que pessoas normais não dariam conta. O time conta com figuras dos tipos mais engraçados (também uma sátira aos hérois convencionais) entre os nomes dos super-hérois estão “O Comediante”, “Dr. Manhattan”, “O Coruja”,”Espectral”,”Rorschach” e “Ozymandias”. O filme foca mais nestes hérois, porém o grupo era maior no passado.

O longa começa com o ataque ao Comediante e sua morte, já se nota, neste começo, que não se trata de uma pessoa normal que atinge O Comediante, além disso também se percebe qual será o estilo do filme em si, com lutas com muitos “slow motion” e muito bem trabalhadas. A partir desse momento começa a se desenrolar a trama. O primeiro a descobrir a morte do Comediante é o Rorschach e, inconformado, parte para uma investigação. No momento atual que se passa o longa os Vigilantes estão sob o decreto de uma lei que impede que os mascarados continuem agindo, ou seja, não há mais Watchmen propriamente, os únicos hérois ainda na ativa são o Dr. Manhattan e Ozymandias, isso porque eles aceitaram revelar suas identidades.

Rorschach desconfia que haveria uma espécie de armadilha em operação com a finalidade de acabar com os mascarados e alerta os remanescentes do perigo que corriam, porém, durante suas investigações cai numa armadilha e é preso sob a acusação de matar um ex-vilão. No meio disso tudo o filme se passa contando um pouco da história do grupo original dos Watchmen e todo o processo que os levaram à presente situação. Dr. Manhattan e Ozymandias estariam trabalhando juntos na tentativa de encontrar uma fonte de energia renovável que substituisse o petróleo no contexto da Guerra Fria e uma iminente ameaça de guerra nuclear.

O bonito e marcante de Watchmen é a capacidade crítica da trama, num momento em que o mundo vivia com medo de uma guerra nuclear, em que tinha pouco tempo do fim da Guerra do Vietnã e ainda se vivia sob a nuvem negra da Segunda Guerra havia ali todo um contexto social que merecia debate e é isso que o filme tenta abordar. O Comediante é a síntese maior de tudo isso, apesar de ser o que morre logo no início, o filme gira em torno de sua figura por se tratar do personagem mais anti-ético de todos os Vigilantes. Todavia, se faz questão de mencionar os motivos pelos quais O Comediante se apresenta daquela forma com diálogos impressionantes, com tons críticos fortissimos à sociedade e sua capacidade de auto-destruição. Na verdade, O Comediante representa a desilusão com a sociedade e que a única solução para aquele impasse seria a retribuição na mesma moeda. Se éramos tão violentos a única forma de conter seria com mais violência, talvez pelo medo, repensassemos nossos atos, o que no final, infelizmente, se mostra verdade.

O filme tem personagens chave na trama e, na minha opinião são O Comediante, Ozymandias e o Dr. Manhattan os demais agem mais com compositores de eventos, mas não desempenham um papel relevante ao que a história busca apresentar (críticas ao homem em geral, seu cárater, sua natureza primal e suas dualidades). O Dr.Manhattan, por exemplo representa a desilusão também, porém sob outra perspectiva da do Comediante. Ele seria mais um desiludido que abandona as esperanças. Ozymandias, por outro lado, já apresenta a visão de que “os fins justificam os meios” e não importa que meios se utilize, mas que o fim seja alcançado a qualquer custo, neste caso a busca pela paz. Nesta busca Ozymandias ultrapassa todos os limites numa clara alusão ao papel desempenhado pelas 2 super potências naquele momento histórico.

Watchmen não é um filme fácil, não é para adolescentes desmiolados, tampouco para crianças. É muito cabeça e tem muito menos ação do que se imagina numa primeira vista. O longa é muito mais sério do que se pensa, então quem imagina que irá ver algo semelhante à X-Men ou Spiderman não perca seu tempo indo assistir Watchmen, pois não tem nada haver. Estamos de frente a um baita filme que teve as bolas necessárias (muito graças a Zack que comprova mais uma vez seu talento e sua coragem em manter-se firme frente às suas idéias, bem como do time de roteiristas). Não há defeitos técnicos no filme. Tudo é muito minucioso e buscou-se uma fidelidade quase extrema ao quadrinho com uma ou outra alteração (a mais relevante é a mudança do final, mas ficou muito bem adequado ao modelo apresentado).

Fica claro que outro diretor não poderia ser se não Zack Snyder e mesmo que os temores de alguns críticos se confirmem (a estréia morna nos Eua, apesar de relativamente boa já confirma tais temores) de que o filme não irá vingar em bilheteria. O tipo de filme que Watchmen se encaixa não segue este padrão. É um filme cabeça, com muitas questões levantadas, muitas discussões éticas e, obviamente, não cai na armadilha de apresentar respostas. Fica a cargo do telespectador dizer com quem ele mais se identifica.Então? Eu digo, eu sou o “O Comediante”. Assistir Watchmen não é para qualquer um, muito menos ver a maestria desse grande filme.

Intensidade da Força: 10

Deixe seu comentário