Momento Morno…

Olá a todos os leitores do nosso querido blog!

Primeiramente, essa é uma mensagem a todos que tem entrado no site nos últimos dias e não teem visto novos posts. A questão é bem simples, o mês de Setembro está sendo extremamente morno em termos de novas estreias de filmes realmente interessantes. Por conta disso, não tivemos novas análises.

No mês de Outubro, contudo, teremos a estréia de Max Payne e outros bons filmes, para aumentar o momento morno os cinemas de Salvador não estrearam alguns filmes que estavam previstos para este mês (Ex: Trovão Tropical). Tudo isso contribui para a letargia.

Análises interessantes estão por vir nos dias seguintes e a movimentação voltará a uma rotina mais ativa, por isso não deixem de dar uma olhadinha no site, pois as novidades podem surgir quando vocês menos imaginarem.

Até mais!

Hellboy II: O Exército Dourado

Título Original- Hellboy II: The Golden Army
Título Nacional- Hellboy II: O Exército Dourado
Diretor– Guillermo Del Toro
Roteiro- Guillermo Del Toro
Gênero– Ação/Aventura/Fantasia
Ano- 2008

– Mais encorpado, mais efeitos, mesma sensação:

Hellboy 2 é um filme melhor que o primeiro em quase todos os aspectos; enredo, caracterização dos personagens, efeitos especiais, mas porquê será que ao final da sessão ficamos com a mesma impressão do primeiro. “Um filme bom, apenas?” Difícil dizer, talvez pelo personagem em si não empolgar tanto como outros heróis, talvez pela trupe que o acompanha ser muito menos cativante e especial do que os parceiros de outros super heróis ou, simplesmente, por Hellboy não ter força suficiente para conseguir causar aquele furor em nossas emoções.

O filme começa mais ou menos onde o primeiro parou. Hellboy (Ron Perlman) está no instituto de assuntos paranormais e lá estão Abe Sapien (Doug Jones), Liz Sherman (Selma Blair) e no decorrer da película outro componente vem compor o time, Johan Krauss (James Dodd). Dessa vez o filme conta a história da possível existência de um exército dourado nascido ainda nos primórdios durante uma guerra entre elfos e humanos. Tal exército seria indestrutível e o próprio rei elfo que mandou construí-lo havia se arrependido e colocado a poderosa arma em descanso, mas seu filho Príncipe Nuada (Luke Goss) não concordava com tal atitude e, por isso, se exila. Depois de milhares de anos ele retorna disposto a despertar o exército e fazer os humanos pagarem por destruírem o planeta (mensagem ecológica). Para tanto ele teria que unir 3 partes de uma coroa que controlava o exército e conseguir o mapa da localização do mesmo. Quando seu pai discorda em ajudá-lo o Príncipe o mata, mas sua irmã gêmea, Princesa Nuada (Anna Walton) foge com a última parte da coroa impedindo que seu irmão a recobre.

Hellboy continua aprontando das suas e agora ele quer se fazer descoberto para que todos o “amem”, não saberia ele que tal atitude traria mais problemas que alegrias (mensagem contra o preconceito). Liz descobre que está grávida e teme contar a Hellboy sobre o assunto, pois o considera imaturo ainda para tal responsabilidade. No meio disso tudo eles perseguem o Príncipe Nuada tentando descobrir seus planos e impedi-lo de fazer o que pretendem. Numa tentativa de conter o temperamento impulsivo de Hellboy (e também ajudar na missão) o agente Tom (Jeffrey Tambor) pede ajuda a Johan Krauss um ser para lá de estranho que vive numa espécie de armadura de mergulho e tem o corpo em forma de fumaça(?). Sim, esse é um dos pontos altos do filme (a criatividade de Del Toro), os seres são extremamente inovativos, sejam na forma como são apresentados, seja no que representam de fato. É um show de habilidade de criação, tudo sob a excelente batuta desse ótimo Diretor/Roteirista que é Del Toro.

O filme conta com boas atuações do elenco no geral, tem bons momentos cômicos, boas cenas de ação e no pacote geral é bem agradável, mas não consegue se destacar de fato em nenhum ponto (ressalve-se a direção criativa) sempre fica a sensação de algo um pouco raso, alguma parte que poderia ter sido mais aprofundada ou melhor trabalhada. Por exemplo, o tema do “relacionamento” entre Liz e Hellboy é muito mal trabalhado e do jeito que ficou era melhor nem ter sido apresentado, não há convencimento algum, ao menos o de Abe Sapien é um pouquinho mais interessante.

Nesse novo filme a equipe participa mais efetivamente do que no primeiro longa, tanto Abe como Johan e até Liz lutam um pouco e não se resumem a apenas “estepes” de Hellboy, isso colabora para dar mais dinamismo às cenas de ação. O Príncipe Nuada tem boa apresentação, especialmente nas cenas de luta, colaborando também para um filme mais interessante do que o primeiro nesse ponto. No computo geral Hellboy é um bom filme de ação com temática de super herói e mais uma boa pedida para quem quiser ver um filminho de forma bem descompromissada, porém continua abaixo de Batman, Iron Man, Spiderman e até X-Men e Hulk.

Intensidade da força: 7,0