Homem de Ferro

Título OriginalIron Man
Título Nacional – Homem de Ferro
DiretorJon Favreau
Roteiro – Mark Fergus/Hawk Ostby
GêneroAção/Aventura
Ano – 2008

– Começa 2008…

É isso aí gente, 2008 finalmente começou, e que começo! Depois de muitos filmes que na verdade eram de 2007 e alguns de 2008, mas que em sua maioria foram muito ruins ou não mereceram maior destaque, 2008 começou com o debute de Homem de Ferro no Brasil, ao mesmo tempo em que no resto do mundo. Como se saiu o longa do herói de “titânio e ouro” na sua primeira aventura cinematográfica? Nada mal, nada mal mesmo…

Depois de diversas mudanças, desde Tom Cruise como Tony Stark até outros embrolhos e entraves de produção, finalmente Homem de Ferro teve sua forma definida com Robert Downey Jr. como o protagonista e a Marvel pela primeira vez se aventurado independentemente no universo dos cinemas. Depois de Homem Aranha, Quarteto Fantástico, Motoqueiro Fantasma e Hulk, tirando outras adaptações toscas realizadas, Homem de Ferro é a primeira obra dos estúdios Marvel e o resultado final do empreendimento agrada bastante.

Realizar um filme em que o elenco é composto por fãs dos quadrinhos do herói (em sua maioria) – o roteiro é realizado e supervisionado por pessoas que fazem os quadrinhos – gerou frutos de muito boa qualidade no resultado do filme. Homem de Ferro traz estes resultados em cada minuto de película em que podemos ver todo o esmero e preocupação da equipe em tratar o personagem de forma coerente e o mais fidedigna possível com os quadrinhos.

Tony Stark é o magnata do mundo das armas que tem sua vida virada de pernas para o ar depois de ser capturado por fanáticos revolucionários após a apresentação do funcionamento de uma de suas armas. Ameaçado de morte, Tony Stark é obrigado a construir para este grupo um protótipo da arma apresentada, mas aproveita a chance para construir uma poderosa roupa de ferro que o ajudaria a fugir dali. Muito bacana poder ver a primeira versão da roupa do Homem de Ferro e um pouco do seu “processo de produção”. Depois disso Tony Stark resolve aprimorar a sua invenção e próximo ao final do filme chega à versão final da roupa do Homem de Ferro. Uma pergunta pode surgir após a leitura do último trecho: Só iremos ver o Homem de Ferro no final?

Em parte sim, em parte não. Sim, pois a roupa só fica totalmente pronta e funcional próximo do final, mas antes disso tem todo o processo de aprimoramento e polimento do produto que rende bons minutos de diversão com as trapalhadas de Tony Stark. Um dos pontos altos do filme é a irreverência do personagem. Tony Stark é o típico magnata bonvivant e que não se preocupa com nada além dos milhões que ganha e como ele pode aproveitar tudo isso da melhor forma possível. Robert Downey Jr. representa essa faceta com extrema facilidade, inclusive devido à proximidade que o personagem tem com a pessoa real. A parte que se refere ao “não” fica por conta que, na verdade o Homem de Ferro faz rápidas e destruidoras aparições durante o filme. Este primeiro filme (espera continuações!) conta mais como nasceu o herói, suas motivações e o que o levou a engajar-se na luta contra o “mal”. Não significa, contudo, que não tenhamos ação e boas doses do Homem de Ferro.

Tudo no filme é feito com muito apuro. A interpretação de Robert como Tony Stark é muito boa e convincente, Gwyneth Paltrow é o contrabalanço perfeito para a testosterona do filme e apesar de ser um papel de composição cumpre excelentemente seu papel. Jeff Bridges está insuportavelmente bom como o vilão da história (apesar de típico e nada inovador). Tudo em Homem de Ferro é feito de forma afinada e bem composta. Os efeitos especiais ficaram de primeira. A armadura é um show à parte e a forma como Downey Jr. representa é fenomenal. Espera-se que com isso Downey renove sua carreira que andava em baixa nos últimos tempos.

No final fica o gancho para uma continuação (óbvio), mas a sensação principal não é essa, mas sim que é “preciso” uma continuação! Homem de Ferro é um dos melhores filmes de herói já realizados, brigando cabeça a cabeça com Homem Aranha 1 e 2 e Batman Begins. O filme não perde o pique, não se deixa levar pelo piegas e clichês em nenhum momento (coisa que até afeta Homem Aranha e Batman, mas que fazem parte dos heróis em questão). É um pipocão de primeira linha e um tapa na cara de críticos chatos que acham que bons filmes são apenas europeus e em preto e branco. Um viva, mais uma vez, às diferenças!

Intensidade da força: 9,5

2 opiniões sobre “Homem de Ferro”

Deixe seu comentário