AKIRA

Mudando um pouco a tônica dos comentários do blog, resolvi homenagear aquela que é considerada por muitos a maior obra em longa metragem de animação de todos os tempos.

————————————————————————————————-

Título OriginalAkira
Título NacionalAkira
DiretorKatsuhiro Ôtomo
RoteiroKatsuhiro Ôtomo/Izô Hashimoto
Ano – 1988

– 20 Anos de Akira
Akira foi um marco para sua época e continua até hoje com uma legião de fãs que insistem em manter sua fidelidade à grande obra de Katsuhiro Ôtomo. Publicado em parceria com a Marvel no Ocidente, Akira foi um dos responsáveis pela explosão de fãs de animação por estes lados, especialmente a animação japonesa (tratada por aqui por animê). A questão é que Akira difere em muito dos outros representantes do gênero, não só por ser apenas um longa metragem, mas por apresentar uma abordagem bem distinta dos seus irmãos (Dragon Ball, Cavaleiros, Yu Yu Hakusho e outros animês famosos). Katsuhiro não segue a mesma linha de desenho dos autores desses animês apontados. A sua linha é muito mais séria e realista, cada personagem tem sua própria feição, sem muita caricatura, algo mais assemelhado à realidade do que os demais representantes de animê costumam realizar. Não vemos em Akira personagem com olhões, peitões e traços exagerados, tudo é muito sóbrio e busca representar o que cada indivíduo realmente é e não uma assemelhação ao ocidental.

Os autores de outros animes reportam que utilizam traços exagerados normalmente por ser mais fácil destacar emoção em olhos grandes do que nos tradicionais olhos “puxados” dos orientais, além disso comentam que é mais fácil destacar as diferenças entre os personagens utilizando tais recursos do que buscando um retrato do seu próprio povo. Há também o caráter comercial nisso tudo, pois é bem claro que fica muito mais fácil retratar personagens ocidentalizados para um público ocidental do que o retrato do povo oriental. Esse é um método que permite a maior penetração dos animes no ocidente e tem sem mostrado bastante eficaz até hoje.

Todavia, Akira, Cowboy Bebop, Gost in The Shell, Metropolis (um pouco menos) estão aí para provarem o contrário. Que é possível sim fazer sucesso e manter um traço de desenho coerente para cada personagem e não apresentar uma variação mínima entre um e outro como cor de cabelo ou formato do mesmo.

Deixando essa parte mais técnica de lado, o que na verdade não importa muito, pois todos os animes tem seu mérito seja por um motivo ou por outro. O que interessa é que Akira está chegando a idade adulta e mostra que continua muito forte também aqui no Brasil. Foi feita uma nova tiragem do sucesso de animação com opção a uma Edição de Colecionador (para quem quisesse pagar mais) e uma outra versão normal com o DVD do filme tradicional. Nessa Ed. de Colecionador temos o conteúdo composto por duas versões do filme (tradicional da época do lançamento e uma remasterizada e em widescreen), cada versão com seus extras e melhorias, some-se a isso uma camiseta com o logotipo do filme, um poster e alguns cartões. Realmente uma peça que não pode faltar à coleção de alguém que é fã do clássico.

Akira conta a história da cidade de Tóquio algumas décadas depois de ter sido devastada por uma explosão que alguns acreditavam ter sido por conta da terceira guerra mundial e outros por ter sido obra “divina”. No ano de 2019 (cerca de 30 anos após a explosão) temos uma nova Tóquio (Neo Tóquio) recuperada fisicamente do desastre, mas abalada por revoltas civis e caos generalizado em suas ruas, tudo por obra de um crescimento desorganizado patrocinado com muito dinheiro e sem muita preocupação com a sociedade. Nesse mundo caótico está a gangue de Kaneda (personagem dos posteres e capas do filme) que vive badernando pela cidade juntamente com os demais componentes do grupo. Durante uma dessas arruaças a gangue se depara com um estranho jovem que causa um acidente com um dos componentes da gangue de Kaneda, Tetsuo(amigo de Kaneda), a partir daí começa toda uma série de eventos que culminam com a descoberta de que o exército estava por trás de pesquisas com humanos com poderes psíquicos altamente desenvolvidos e que Tetsuo havia despertado este poder no contato com o estranho jovem.

Enquanto isso, Kaneda continua se metendo em confusão e tentando entender o motivo do sumiço de seu amigo, envolve-se com uma jovem (Kei) e acidentalmente termina se aliando a um grupo que está tentando se infiltrar nestas pesquisas e roubar os resultados e cobaias (jovens) da mesma. Muita ação envolve a trama, com críticas à política, à sociedade, ao capitalismo, as pesquisas científicas inescrupulosas. Akira não é uma animação comum justamente por isso. Além da plástica que envolve o longa (há muito apuro técnico na condução do longa) com excelente animação, muito atenta aos detalhes, há uma preocupação com o aspecto crítico da história sempre ligado para não deixar o filme cair na futilidade.

Por tudo isso Akira transcende seu tempo como uma obra genial que sempre estará em alta, seja por sua excelente qualidade de animação (que impressiona até hoje) seja pela história extremamente atual, pois na verdade a história de Akira trata do ser humano e de seus defeitos e não apenas um desenho bobo sem maiores pretensões. Ao assistir da primeira vez provavelmente você não conseguirá captar tudo do filme. É recomendado mais uma ou 2 passadas para poder conseguir tirar tudo que é possível desse incrível desenho.

Akira conseguiu o que muitos filmes tradicionais não conseguiram: Entrar para história, marcar. Pode até ser que alguns não gostem, que alguns não entendam porquê de tanto fervor em torno do filme, mas hão de reconhecer que não é uma obra qualquer, não se trata de apenas mais uma grande animação, que por trás da violência e do sangue em excesso existe toda uma lógica e motivação. O roteiro é muito coeso e não se perde em nenhum momento, tudo é muito bem programado e articulado para ser composto no tempo preciso da forma certa. Por estas e outras que desejamos o nosso parabéns a AKIRA e que mais outros 20 anos venham e possamos estar aqui para homenageá-lo quantas vezes forem necessárias.

Intensidade da Força: 10

Deixe seu comentário