Os Indomáveis

Título Original – 3:10 to Yuma
Título Nacional – Os Indomáveis
Diretor – James Mangold
Gênero – Ação/Faroeste

– “Os Indomáveis” ?

Este é um daqueles casos típicos e inexplicáveis de como se escolhem os títulos dos filmes estrangeiros no Brasil. Não há muita lógica na escolha do título em comparação com o referencial estrangeiro, mas com algum esforço é possível se encontrar alguma lógica no título.

Confesso que fiquei temeroso se iria ter a oportunidade de assistir Os Indomáveis aqui em Salvador, o filme já havia estreado no circuito Rio – São Paulo e isso me deixou um pouco apreensivo devido às minhas más experiências recentes com o Assassinato de Jesse James que só deu o ar da graça por aqui depois de 3 meses de lançamento do Sudeste e ainda por cima no circuito alternativo, infelizmente nossa cidade não dispõe de uma boa infra-estrutura de cinemas no que diz respeito ao circuito alternativo.

Graças a Deus não fui privado de assistir esse filme que foi muito bem cotado por onde passou, apesar de não ter traduzido as boas críticas em uma bilheteria farta. Uma pena, pois Os Indomáveis é sem dúvida alguma um clássico do gênero Western, comparável a ícones como Unforgiven.

O acerto do filme começa na escolha do elenco. Difícil assistir Russel Crowe e não sair feliz com as ótimas atuações que ele nos brinda e aqui em Os Indomáveis não é diferente, o mesmo pode se dizer de Christian Bale ator pouco conhecido até protagonizar Batman Begins, mas que já nos brindava com ótimas atuações em Psicopata Americano e Equilibrium e mais recentemente no filme O Sobrevivente. Russel Crowe é Ben Wade famoso ladrão que trazia pânico ao meio oeste americano e atrapalhava os planos dos grandes capitalistas na construção da ferrovia que cruzaria o meio oeste. No meio disso tudo aparece Dan Evans um rancheiro falido que está afundado em dívidas por causa da seca que nunca acabava e se vê em difícil situação para sustentar sua família.

Russel Crowe nos brinda com uma de suas melhores atuações conseguindo adicionar um carisma enorme num ladrão que de fato é cruel, mas apresenta traços de humanidade e religiosidade em seu coração, tão cativante é a figura de Ben Wade que nenhuma mulher abordada no filme resiste ao seu “charme” mau caráter. Na outra ponta temos Dan Evans um pobre rancheiro que se vê envolvido na trama no momento que encurralam Ben Wade na cidadezinha que vive. Vendo oportunidade de minimizar suas dívidas Dan se oferece para escoltar Wade até o expresso 3:10 to Yuma (que segue para uma cadeia famosa da região) utilizando como argumento o fato de ter servido no exército.

Depois desse interstício inicial nós somos brindados com constantes brilhos na telona proporcionados pelos diálogos cínicos de Wade e a tentativa desesperada de um grupo de escolta amador na esperança de conduzi-lo até o expresso. Junte-se a isso, pequenas pitadas do melhor da ação estilo faroeste que há muito não se via com tamanha qualidade e, como era difícil a vida naquele tempo, naquela região da América, mostrando (à semelhança de Onde os Fracos não tem Vez) o que de pior pode ser despertado no ser humano, bem como o conflito com o agir da forma certa e o resgate do valor do ser humano naquele ambiente tão inumano.

Assim é 3:10 to Yuma um filme marcante até o seu último instante, uma atuação excelente de Russel Crowe e Christian Bale que nos brindam com constantes ensinamentos sobre a dualidade do ser humano em situações adversas e que mesmo em situações difíceis é possível sim manter a integridade e busca de valores simples muito esquecidos no mundo de hoje.

Por tudo isso fui obrigado a render-me a 3:10 to Yuma um filme que me tocou profundamente e me fez refletir muito sobre o ser humano como em Onde os Fracos não tem Vez e Sangue Negro e que pelo fato de nos brindar com uma ótima atuação dos dois protagonistas supera estes dois filmes no pacote final. Não que realmente 3:10 to Yuma seja um filme tecnicamente superior aos outros 2 (até porque não é), mas sim pela forma como a história é conduzida até seu último instante, nos presenteando com um dos melhores filmes de 2008 (apesar de ser de 2007…) para nós brasileiros.

Intensidade da Força: 10,0

Deixe seu comentário